CEOs da Coinme e da Coinstar discutem novidades de parceria para ampla rede de ATMs de Bitcoin nos EUA

Uma recente parceria da Coinme com a Coinstar poderá trazer a “adoção em massa do Bitcoin” nos Estados Unidos, segundo os CEOs de ambas as empresas declararam durante a TF3, painel moderado em Seattle, Estados Unidos, no fim de março.

No painel realizado no dia 28 de março na TF3, os CEOs de ambas as empresas - Neil Bergquist, co-fundador da Coinme (startup de caixas eletrônicos Bitcoin) e Jim Gaherity, CEO da Coinstar - discutiram o potencial da adoção mainstream do Bitcoin e como suas empresas ajudarão a facilitar a atingir este objetivo. 

Esses quiosques estariam gerando mais de 315 milhões de impressões por semana, com o volume de transações crescendo em média 17% a cada semana, em crescimento classificado como "impressionante", segundo os CEOs das duas empresas.

A Coinstar é uma empresa sediada em Seattle que administra 20 mil quiosques operados por caixa em 12 países. Esses quiosques aceitam moedas em troca de serviços de troca de dinheiro e pagamento.

Já a Coinme é uma empresa que desenvolve caixas eletrônicos de Bitcoin. O grupo também tem um “grupo de clientes privados”, comparado ao Goldman Sachs por Bergquist, que aconselha as pessoas sobre como comprar e investir em Bitcoins.

O co-fundador e CEO Neil Bergquist sugere que a razão para o sucesso desses quiosques é porque “é uma experiência de transação familiar, então realmente cria confiança”. Ele ainda disse:

“Isso é algo que está faltando no mercado hoje, o esse fator de confiança. Com essa parceria, você pode entrar em uma mercearia com uma marca em que confia e comprar bitcoins por meio de uma parceria de troca licenciada. É uma peça fundamental da infraestrutura para a economia da moeda digital."

O Coinstar atualmente facilita cerca de 70 milhões de transações por ano. Mais recentemente, a empresa envolveu-se com outros serviços financeiros, incluindo pagamento de contas, transferências de dinheiro e agora transações com Bitcoin.

Segundo seu CEO, "faz sentido que Coinstar se envolva em criptomoedas". Embora os serviços da Coinstar reúna também gigantes varejistas, como Walmart e Kroger, a empresa conseguiu apresentar os serviços de Bitcoin como uma oportunidade “segura”. Neil Bergquist sugere que muitas pessoas que compram Bitcoin em ATMs o fazem por utilidade:

“As pessoas estão usando isso para resolver problemas cotidianos. Sim, as pessoas estão comprando como um investimento, como uma reserva de valor ou como especulação, mas também estão fazendo remessas e pagamentos. ”

É objetivo da Coinstar fazer com que os varejistas passem a aceitar criptomoedas como forma de pagamento, segundo Gaherity: “estamos interessados em trazer essa tecnologia para as massas e atrair os varejistas interessados em Bitcoin. Eventualmente, a esperança é que você possa usar o Bitcoin na loja para comprar coisas - trocar essa criptomoeda por leite e ovos”, disse ele.

Os dois CEOs continuaram falando sobre como o apoio da Coinstar ao Bitcoin adiciona legitimidade substancial ao setor. Bergquist primeiro descreve sua experiência tentando garantir uma conta bancária para sua startup: “Nós fomos recusados por 200 bancos. Não podemos nem ter uma conta operacional, mesmo que tenhamos uma licença”, declarou.

Em alguns países, os bancos adotam política de proibição para organizações de negociar com criptomoedas, o que é visto como impedimento substancial ao crescimento do setor. O CEO ainda disse: "Agora, quando você tem uma empresa de bilhões de dólares envolvida no espaço, que é de propriedade da Apollo - uma das maiores empresas de private equity do mundo com US$ 250 bilhões sob gestão -, as pessoas começam a prestar atenção à moeda digital", disse Bergquist.

O desempenho desses caixas eletrônicos "tem sido excepcional até agora", de acordo com a dupla. O volume de transações para esses quiosques estaria crescendo exponencialmente:

“Uma vez que essa história seja divulgada e as pessoas descobrirem que o produto [caixas eletrônicos com bitcoin] cresceu 17% semana a semana, eles começarão a levar a sério."

Atualmente, os quiosques com capacidade de Bitcoin estão disponíveis para a maioria dos cidadãos nos EUA, localizados "a cada 8 km para 90% dos americanos. Então, agora que você tem a infra-estrutura, você cria conscientização, adquire adoção ”, disse Bergquist.

O alcance da divulgação através dos ATMs tem o potencial de converter em conhecimento para o público em geral: "Segundo os últimos dados, recebemos cerca de 315 milhões de pessoas impactadas por semana em nossos ATMs. Nosso objetivo é chegar aqui e realmente educar as pessoas sobre o que podem fazer com o Bitcoin", concluiu Gaherity.