Terry Duffy, CEO do CME Group: o fato de o Bitcoin ser finito é um problema para os reguladores

Terry Duffy, CEO do principal mercado de derivativos dos Estados Unidos, o CME Groupdisse à Business Insider na segunda-feira, 25 de março, que o montante finito da Bitcoin é um desafio para os reguladores.

De acordo com Duffy, a incapacidade de administrar o Bitcoin (BTC) em um déficit é um desafio para a regulamentação. Ele explicou ainda:

"Os governos não podem concorrer a menos que possam ter um déficit. Estou tentando descobrir por que eles diriam: 'Parece bom para mim, porque eu quero ser responsável e administrar tudo de maneira uniforme não pode emprestar contra nada.'"

Portanto, um importante ponto de venda da maioria das criptomoedas, uma oferta limitada, é um obstáculo à sua adoção por entidades estatais, segundo Duffy. Ele acrescentou ainda que os reguladores ainda estão cautelosos sobre as criptomoedas, pois ainda são um instrumento financeiro relativamente novo:

"Eu acredito que os reguladores agora estão um pouco cuidadosos  ao aprovar qualquer coisa relacionada à criptos. Você vai ter que ter uma oferta que os reguladores terão que ficar confortáveis. E eu acho que é difícil. para se sentir confortável com algo tão novo assim.”

Além disso, Duffy acredita que as moedas estáveis, atreladas ao dólar ou ao euro, ganharão mais tração, já que possuem algumas das características do dinheiro tradicional.

Duffy reiterou sua posição em uma entrevista concedida em fevereiro à Bloomberg, quando afirmou que os grandes bancos comerciais provavelmente não se envolverão no mercado, a menos que os governos do mundo todo comecem a aceitar moedas criptografadas.

Muitos empreendedores de criptomoedas e especialistas em finanças optam por stablecoins como o melhor caso de uso de criptomoedas. Por exemplo, os gêmeos Winklevoss, que anteriormente lançaram sua própria moeda stablecoin, o dólar dos Gêmeos (GUSD), acreditam que stablecoins e tokenized securities são o futuro da inovação em criptos.