"Clara violação? Autoridades de Nova Iorque desafiadas pelo SegWit2x, que infringiria a lei de BitLicense

O SegWit2x resultará em empresas de criptomoeda operando para infringir as regras do BitLicense em Nova Iorque "independentemente do resultado" do hard fork.

Um e-mail enviado ao Departamento de Serviços Financeiros de Nova Iorque (NYDFS) nesta semana está causando mais controvérsia sobre a divisão da cadeia prevista para novembro, acusando os legisladores de não atuarem em obrigações legais.

"[...] Este e-mail solicita que o NYDFS aplique as disposições da Licença de Moeda Virtual ("Bitlicenses") sobre as entidades licenciadas e outras entidades que operam empresas de moeda virtual não licenciadas no Estado de Nova Iorque", afirma.

"Várias entidades que possuem a licença estão envolvidas em atividades em clara violação dos códigos, regras e regulamentos do Bitlicense".

"Não importa o resultado, ocorrerão violações"

Referindo-se especificamente aos signatários do NYA Xapo, Genesis Global Trading, Blockchain.info e Bitfury, o autor David Anderson sugere que a violação das regras do BitLicense é certa, independentemente de como o SegWit2x se revele.

"No mínimo, os parâmetros do Acordo de Nova Iorque sobrecarregarão a moeda virtual armazenada pelos licenciados, prejudicando a capacidade dos usuários de retirar sua moeda virtual", continuou.

"Mais provávelmente, no entanto, o Acordo de Nova Iorque criará um tipo completamente novo de moeda virtual, diferente da moeda virtual originalmente armazenada pelos licenciados. O tipo original de moeda virtual armazenada pelos signatários se tornará interoperável ou deixará de existir completamente. Independentemente do resultado, as violações da Seção 200.9 (b) e/ou (c) ocorrerão".

Os aspectos legais do hard fork do Bitcoin raramente entraram no debate público, com o desenvolvedor do Core, Peter Todd, em seguida, adotando a "interessante" ideia.

Peter Todd diz: Interessante: argumento legal de que os signatários do NYA/2X estão apontando para controlar uma criptomoeda que é regulada pelo Bitlicense.

Nem todos estavam convencidos, no entanto, com o advogado do Blockchain, Marco Santori, descrevendo os argumentos de Anderson como "burros e não interessantes".

Na Europa, uma ideia igualmente impopular veio do fundador do Partido Pirata Finlandês Rick Falkvinge, que sugeriu que, se o 2x falhasse, os mineiros também deveriam abandonar a implementação já ativa do SegWit na rede Bitcoin.

Rick Falkvinge diz: Se o #bitcoin não atualizar para o 2x conforme acordado, não seria razoável que os mineiros também revertivessem a primeira parte do contrato, o Segwit?

"Não é necessário um suporte amplo. Basta ter a honra de reverter um acordo não confirmado", acrescentou.