CEO da Citadel diz que Bitcoin ainda é um "bicho de sete cabeças" e diz para a geração jovem ficar de fora

Ken Griffin, CEO e fundador do fundo de hedge Citadel, reiterou sua posição negativa sobre Bitcoin (BTC) em uma entrevista com a CNBC na quarta-feira, 18 de julho.

Falando na Conferência Delivering Alpha em Nova York, Griffin admitiu que ele “ainda arrisca [sua] cabeça” sobre o Bitcoin, alegando que a geração mais jovem deveria “fazer algo mais produtivo do que investir em moedas digitais”.

Para provar seu ponto de vista, o bilionário apontou que nenhum de seus clientes jamais sugeriu investir em criptomoedas:

"Não tenho um único gerente de portfólio que tenha me dito que devemos comprar cripto, não um único gerente de portfólio".

Griffin declarou ainda que sua empresa está tendo dificuldades para decidir se deve ser um fornecedor de liquidez para um produto em que ele “não acredita”,

“Não há necessidade de criptomoedas. Eles são uma solução em busca de um problema. ”

No final de 2017, o Griffin da Citadel havia feito uma declaração semelhante sobre o Bitcoin, comparando a maior criptomoeda com a “mania de bulbos de tulipa holandesa” em 1600 e observando que “essas bolhas tendem a acabar em lágrimas. E eu me preocupo com como essa bolha pode acabar. "

Fundado por Griffin em 1990, o fundo de hedge Citadel administra mais de US $ 30 bilhões em ativos. A instituição financeira global é um dos fundos de hedge mais antigos do mundo, sendo apenas um dos três por cento dos fundos de hedge que trabalham há mais de 20 anos.

Outros em Wall Street adotaram criptomoedas por sua vez. No início desta semana, o maior gestor de activos do mundo, BlackRock anunciou que está a criar um grupo de trabalho para estimar os benefícios do envolvimento no Bitcoin, um afastamento da anterior postura crítica da empresa em criptomoeda.

E na semana passada, o fundo de hedge Point72 Asset Management do bilionário Steven Cohen teria investido no fundo de hedge focado e blockchain dos Parceiros Autônomos.