China vê aumento de seis vezes no número de empresas com "blockchain" no nome

Na China, o número de empresas registradas com a palavra “blockchain” em seus nomes subiu de janeiro a 16 de julho de 2018, superando o número do ano passado em quase seis vezes, informou o South China Morning Post (SCMP) em 16 de julho.

Citando dados do agregador de dados civis e comerciais Qixin.com, o SCMP informou que o país atualmente hospeda mais de 4.000 empresas relacionadas a blockchain. Nos últimos seis meses e meio, havia 3.078 empresas com a palavra “qukualian” (tradução chinesa de blockchain) em seus nomes, enquanto no ano passado havia 555.

Nos últimos doze meses, 16.600 empresas foram criadas com blockchain especificado como parte de suas linhas de negócios, enquanto mais de 3.800 deles registraram um capital de mais de US $ 1,5 milhão. Aproximadamente 41% das startups que receberam financiamento na China no primeiro trimestre do ano passado foram relacionadas ao blockchain.

O SCMP relata que no ano passado as empresas chinesas apresentaram 225 pedidos de patentes relacionadas com blockchain, o que representa mais de metade do total mundial. Existem 817 empresas nos EUA e 335 no Reino Unido com a palavra blockchain em seus nomes registrados.

Hoje, o desenvolvimento do blockchain recebeu forte apoio do vice-diretor do Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China, Xin Guobin, que instou o país a “unir” forças para promover blockchain como uma tecnologia “central” para a nova economia digital. Ele disse que o "papel importante" do blockchain deve ser "aproveitado de uma perspectiva estratégica".

Na semana passada, o chefe do departamento internacional da Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China, Fan Wenzhong, alertou contra a tecnologia de blockchain “mitologizadora”. Fan disse que é difícil chamar o blockchain de “revolução”, já que a ideia de escrituração contábil tem circulado por centenas de anos. Fan afirmou que "a descentralização não é uma tendência nova, mas um loop, porque as primeiras transações humanas estavam sem autoridades centrais".