Bancos chilenos versus casas de câmbio cripto: os cidadãos terão acesso à tecnologia?

No início desta semana, um grupo de casas de câmbio de criptomoedas do Chile recorreu aos tribunais para combater a decisão dos bancos de encerrar suas contas bancárias. As casas, incluindo Buda, Orionx e CryptoMarket (CryptoMKT), afirmam que o sistema bancário no Chile está decidindo as coisas por si mesmo e que estão "matando toda a indústria".

Os bancos Itaú Corpbanca e Scotiabank anunciaram o fechamento das contas bancárias da BUDA e da CryptoMKT em 19 de março. Uma semana depois, o estatal Banco del Estado de Chile seguiu o fluxo, confirmando o fechamento das contas das três casas de câmbio de criptomoedas.

Agora, enquanto elas esperam que seu caso seja atendido, algumas novidades surgiram em 20 de abril, de acordo com o cofundador e CEO da BUDA, Guillermo Torrealba. As casas de câmbio ficaram atordoadas com o porquê os bancos sentirem que têm o poder de negar acesso a uma nova onda de tecnologia.

Situação no Chile

Falando à Cointelegraph, Torrealba descreve a situação da criptomoeda no Chile como precária, e que todo o sentimento aberto e liberal sobre esta tecnologia não é tudo como parece:

“O Chile está mostrando seu lado ‘B‘ o de ser um país extremamente conservador, apesar de fazermos grandes esforços para o mundo nos ver como liberais”.

Torrealba explicou que apesar do clamor na mídia, e até mesmo no Twitter, os bancos estão se recusando a responder ou reabrir suas contas fechadas. Além disso, de acordo com Torrealba, os bancos, que aparentemente têm uma grande parcela de poder no país, estão tornando o ambiente para as criptomoedas pior do que no Equador, Bolívia ou China:

“Os bancos mostraram seu lado mais sombrio. Restringir um país inteiro a acessar uma tecnologia só porque não gostaram dela. Isso é ainda pior do que casos de  Equador, Bolívia ou China, onde o governo foi quem tomou a iniciativa. Porque você poderia julgar a decisão de um governo, já que, no final das contas, são os representantes das pessoas, e as pessoas são livres para tomar qualquer caminho que achem correto”.

Bancos bancando os reguladores

A questão para Torrealba é que os bancos, fechando essas contas e parando efetivamente o funcionamento das casas de câmbio de criptomoedas, estão desacelerando e proibindo o progresso da criptomoeda no país. Não há regra, lei ou legislação contra a moeda digital no Chile, mas os bancos estão atuando como reguladores severos.

"No Chile, a história é diferente", disse Torrealba. "Não houve um regulador, legislador ou funcionário do governo dizendo que as criptomoedas não são legais, foi apenas a decisão de um setor muito poderoso da economia: o setor bancário".

A razão pela qual Torrealba está bravo com essa decisão, e vai tão longe a ponto de envolver os tribunais, é que ele se sente como se houvesse uma restrição às liberdades econômicas.

“Então, por que essa luta é importante? Por causa da liberdade econômica. Mas nem mesmo a liberdade de um governo abusivo, mas a liberdade de uma indústria financeira corrupta e dominada que se protege da maneira mais arcaica e pré-histórica: negar uma tecnologia da forma mais aberta e excessivamente ousada que pudessem encontrar. Os bancos são tão abertamente abusivos que todos concordam que o que estão fazendo é ilegal, mas isso não é suficiente para eles pararem. Eles são grandes demais para serem cuidadosos ou agir dentro do marco regulatório.”

Obviamente, Torrealba é diretamente afetado por esse bloqueio bancário e, por essa razão, tem todos os motivos para se sentir assim. Suas justificativas podem muito bem ser emotivas, e talvez inflamatórias, no entanto, ele não está sozinho em seu pensamento.

Reações externas

Houve uma enorme quantidade de reações de usuários do Twitter, tanto dentro como fora do Chile, com a ideia geral de bancos que estabelecem as fronteiras do uso de criptomoedas claramente pisando no calo de um bom número de usuários.

O banco estatal do Chile, o Banco Estado, encerra todas as contas de #casas de câmbio #cripto chilenas. Que p*** é essa? Quanto danos mais as instituições financeiras causarão à inovação e a seus próprios clientes?
Aparentemente, todos os bancos chilenos cortarão laços com empresas de cripto bit.ly/2GRy1AP Isso seria um duro golpe negativo para a reputação do Chile como uma economia de mercado livre, racional e favorável à inovação.
Tão decepcionante ver o principal banco chileno @BancoEstado fechar contas de clientes #cripto. O Chile é uma das principais economias regionais, mas essas ações sufocam a inovação. Apoio à @budapuntocom!

Mas não foram apenas os tuítes reacionários que acharam esse movimento estranho. Barry Silbert, CEO e fundador do Digital Currency Group, tuitou diretamente aos bancos implorando que mudassem sua decisão.

Isso é muito decepcionante, @itauchile @scotiabank @BancoEstado

Por favor, revertam sua decisão e apoiem a inovação, a inclusão financeira e ajude a construir um sistema financeiro mais eficiente para o povo do Chile.

Arthur Gervais, professor de Blockchain no Imperial College London e cofundador da Liquidity.Network, também concorda com Torrealba sobre isso ser uma degradação dos direitos fundamentais. O professor Gervais disse ao Cointelegraph:

“Os intermediários financeiros tradicionais provavelmente experimentarão uma mudança fundamental em seus modelos de negócios, o que compreensivelmente cria tensões. A tentativa, no entanto, de censurar a tecnologia descentralizada, não só provavelmente falhará e uma privação fundamental dos direitos humanos, mas também fortalecerá e motivará ainda mais aqueles que desenvolvem a nova tecnologia Blockchain”.

Configuração de momento e precedente

Será interessante ver o que sai deste caso, e se as casas de câmbio serão bem-sucedidas. A Cointelegraph continuará dando atualizações sobre o caso quando outras anotícias estiverem disponíveis.

Se a defesa das criptomoedas como um direito de acesso das pessoas em termos de seus aspectos tecnológicos for bem-sucedida, isso poderá levar a uma grande reviravolta de outras pessoas que estão vendo seus negócios de criptomoedas serem injustamente limitados.