Chia revela seu Green Paper detalhando meios ecológicos para mineração de criptomoedas

A empresa de tecnologia Chia Network, com sede em San Francisco, lançou um green paper que descreve um meio ecológico de mineração de criptomoedas .

O green paper fornece uma descrição de como a prova de espaço e a prova de tempo criam um algoritmo de consenso "estilo Nakamoto" para o blockchain da Chia. Especificamente, Chia propõe “farm” em vez de mineradores para verificar blockchains que emitem criptomoedas, onde a prova de espaço (proof-of-space) e a prova de tempo (proof-of-time) tomam o lugar do princípio de prova de trabalho ( proof-of-work; PoW ) usado para mineração de Bitcoin ( BTC ) e Ethereum ( ETH ). O documento explica ainda: 

“Em vez de usar provas de trabalho, Chia alterna provas de espaço com funções de atraso verificáveis. Isso resulta em uma cadeia que em muitos aspectos é semelhante ao Bitcoin, em particular, como em Bitcoin nenhuma sincronização é necessária e podemos provar garantias de segurança rigorosas supondo que uma fração suficiente do recurso (espaço em Chia, computação em Bitcoin) é controlada por partes honestas. ”

Inicialmente, o CEO da Chia, Bram Cohen, estreou sua solução para o Bitcoin no final de 2017, que, segundo ele, resolve “problemas de centralização” com a criptomoeda, empregando o conceito de prova de tempo. Cohen disse que "a idéia é fazer um Bitcoin melhor, para corrigir os problemas de centralização", baseando-se em um método de autenticação em bloco de duas etapas.

Conforme relatado em junho, as emissões de carbono geradas pelo Bitcoin são comparáveis ​​a toda a cidade de Kansas e até mesmo a um país pequeno, de acordo com um estudo publicado na revista Joule. Com emissões anuais de CO2 estimadas entre 22 e 22,9 megatoneladas, o Bitcoin está em algum lugar entre a Jordânia e o Sri Lanka em termos de produção. O estudo sugeriu que esse nível dobraria se todas as outras criptomoedas também fossem levadas em conta.

De acordo com um estudo de março feito por um especialista em blockchain da empresa de auditoria Big Four PwC , a energia renovável não seria suficiente para resolver o problema de sustentabilidade da bitcoin. A pegada de carbono de uma transação de Bitcoin supostamente supera a de uma transação bancária tradicional não monetária.