Presidente da CFTC: Cripto precisa da abordagem "não prejudique" que os reguladores deram no início da Internet

O presidente da Comissão de Negociação de Futuros de Commodities dos Estados Unidos (CFTC), J. Christopher Giancarlo, disse que a cripto precisa de uma abordagem “sem dano” dos reguladores para florescer, em uma entrevista na Cúpula anual de Cingapura hoje, sexta-feira 14.

O presidente Giancarlo disse que tirou o precedente dos primórdios da Internet, que ele argumentou ser capaz de desenvolver e amadurecer por causa das intervenções mínimas do governo:

"Estou defendendo a mesma abordagem para criptomoedas e todas as coisas que têm a ver com essa nova revolução digital dos mercados, das moedas e das classes de ativos".

No entanto, ele distinguiu entre a abordagem de curto prazo da CFTC para lidar com a atividade ilícita nos mercados de cripto e as decisões de longo prazo da agência – e potencialmente criticamente impactantes – sobre a formulação de políticas para a indústria nascente:

"Quando se trata de fraude e manipulação, precisamos ser fortes. Quando se trata de elaboração de políticas, acho que precisamos ser lentos, deliberados e bem informados."

O presidente também rebateu as acusações de que o contexto regulatório dos Estados Unidos para a cripto demorou a tomar forma, observando que a CFTC havia presidido as ofertas reguladas pela primeira vez dos futuros do Bitcoin (BTC), lançados em dezembro de 2017 nas robustas companhias americanas CME e CBOE.

A questão de como as criptomoedas devem ser definidas e quais agências são responsáveis por sua regulamentação há muito tempo é debatida pelos reguladores dos EUA. Uma audiência da Câmara dos Estados Unidos no início deste verão resumiu o desafio exclusivo da cripto, com os palestrantes enfatizando que os ativos digitais complicam as distinções rígidas e rápidas dos marcos regulatórios existentes.

Este ano, dois juízes federais decidiram sobre os principais casos que confirmaram a aplicabilidade dos regulamentos federais sobre commodities ao Bitcoin sob a supervisão da CFTC, bem como – apenas nesta semana – a aplicabilidade das leis de valores mobiliários dos EUA para processar alegações de fraude cripto.