Presidente da CFTC: Blockchain poderia ter transformado a resposta em tempo real dos reguladores à crise de 2008

Christopher Giancarlo, presidente da Comissão de Negociação de Futuros de Commodities (СFTC) dos Estados Unidos, disse que a blockchain teria mudado as respostas dos reguladores em tempo real à crise financeira global de 2008 se estivesse em uso na época. Giancarlo teceu esses comentários durante a 4ª Cúpula Anual DC Blockchain em Washington D.C. em 6 de março.

Em seu discurso, Giancarlo baseou-se em sua experiência pessoal como vice-presidente executivo do gigante da corretagem GFI Group - que, em 2008, como observou, operava uma das maiores plataformas de negociação de swaps de crédito (CDS) do mundo, “à época, o epicentro de risco sistêmico.” Ele relembrou o pânico e a desordem no andar dos corretores da GFI, enquanto a crise global de crédito caía fora de controle:

“Lembro-me de uma ligação de um regulador bancário dos EUA perguntando sobre a exposição à negociação de CDS de vários grandes bancos, incluindo o Lehman Brothers. Na verdade, as condições de negociação estavam se deteriorando a cada hora. Ficou claro que o regulador tinha poucos meios além dos telefonemas para entender todos os sinais de perigo que os mercados de CDS estavam transmitindo”.

A tecnologia Blockchain, disse Giancarlo, teria proporcionado um "registro de ouro dos registros em tempo real de todos os participantes de negociação regulamentados" e evitar o complicado método no qual os reguladores se esforçavam para manter os mercados organizados no pico do fracasso sistêmico.

Antes do advento dos distributed ledgers em tempo real, disse ele, os reguladores eram "forçados a reunir dados fragmentados para recriar portfólios comerciais complexos e individuais", chamando manualmente as empresas de corretagem, como a GFI, para obter informações sobre o mercado. Ele declarou então:

“Que diferença teria feito há uma década se a tecnologia blockchain fosse a base informacional das exposições a derivativos de Wall Street. Certamente teria permitido, no mínimo, uma intervenção reguladora muito mais avançada, mais bem informada e mais calibrada, em vez da resposta atabalhoada que infelizmente se seguiu”.

Giancarlo observou ainda que a blockchain, em conjunto com as “modernas capacidades de computação cognitiva”, poderia ter permitido aos reguladores identificar rapidamente os padrões e bandeiras vermelhas sinalizando um risco intensificado de falência bancária, como “anomalias na atividade de comércio em todo o mercado e exposições divergentes das contrapartes”.

Esse insight tecnologicamente aprimorado, sugeriu ele, teria revelado que “os US$ 400 bilhões em títulos de credit default swaps do Lehman Brothers representavam menos de US$ 8 bilhões em exposição do mercado líquido ao fracasso da empresa”.

Conforme relatado, os comentários de Giancarlo foram repetidos pelo ex-vice-presidente de banco de investimento norte-americano JPMorgan Chase, que também concluiu por experiência pessoal que a blockchain pode “ser a chave para evitar a próxima crise financeira global”.