CEO de exchange perde a senha da carteira fria contendo dezenas de BTC's

Tawanda Kembo, fundador e CEO da Golix, exchange do Zimbábue, afirma ter perdido a senha de uma das carteiras frias de Bitcoin (BTC).

Em 1º de novembro, o jornal local de notícias, iHare, informou que o CEO da primeira exchange de criptomoedas do Zimbábue, supostamente perdeu a senha em maio do ano passado. O IHare escreveu que o “fiasco da senha” foi confirmado por duas fontes separadas, familiarizadas com o assunto.

CEO perde acesso a 33 Bitcoins

A história da senha perdida segue relatos de que os reguladores financeiros do Reserve Bank of Zimbabwe, ordenaram que a exchange encerrasse suas operações por violar questões regulatórias.

Desde então, a Golix supostamente interrompeu todas as comunicações com seus clientes, enquanto uma grande parte dos clientes da exchange continua sem êxito na recuperação de seus investimentos.

O próprio Kembo se apresentou em um post de convidado, respondendo às alegações de que sua exchange falhou ao processar as retiradas dos clientes.

Kembo nega que sua empresa não tenha conseguido processar saques por causa da insolvência, dizendo que "99% das pessoas que tentaram fazer um saque na Golix passaram por isso sem problemas". Kembo acrescenta que as alegações de clientes incapazes de retirar fundos, provém da minoria de 1%.

No entanto, Kembo não negou que perdeu a senha da carteira contendo 33 Bitcoins, no valor de mais de US$ 305.000 no momento desta publicação. Kembo afirma que toda a situação foi tirada de contexto.

Proibição de moedas estrangeiras no Zimbábue

Em julho, o governo do Zimbábue proibiu o uso de moedas estrangeiras no país africano, o que causou um aumento do comércio entre pares de Bitcoin. Cidadãos do Zimbábue supostamente usam serviços como Paypal, Western Union e Moneybookers para negociar Bitcoin fora do país.