Capital Group proíbe associados e familiares de investir em ICOs

O Capital Group, uma empresa americana de serviços financeiros e uma das mais antigas organizações de gerenciamento de investimentos do mundo, proibiu seus associados e familiares diretos de investir em ofertas iniciais de moeda (ICOs), de acordo com um Código de Ética atualizado protocolado na Comissão de Valores Mobiliários (SEC) em 19 de abril.

O Código de Ética atualizado enfatizou as novas diretrizes e políticas para Ofertas Públicas Iniciais (IPOs) e ICOs, dizendo:

“Todos os associados e membros diretos da família que residem no mesmo domicílio não podem participar de IPOs ou ICOs.”

O documento explica ainda que o Capital Group pode fazer raras exceções para as IPOs, mas elas serão consideradas “caso a caso”. Em relação às ICOs, o documento não oferece exceções, afirmando que a proibição dos investimentos da ICO “se aplica a todos os associados do Capital”. A atualização do código de ética não menciona se a proibição se estende a investimentos feitos em nome de clientes.

Em março, a SEC anunciou seus planos para examinar até 100 fundos de cobertura que lidam com criptomoedas. Enquanto os examinadores inspecionarão se os ativos comprados pelos administradores dos fundos coincidem com os anunciados aos investidores ao oferecer declarações, o objetivo principal da iniciativa é informar a SEC sobre como suas políticas devem lidar com criptomoedas.

No mês passado, o governo sul-coreano proibiu seus funcionários de manterem e negociarem criptomoeda, afirmando que os funcionários envolvidos na troca de moeda digital estão "violando a proibição das obrigações de tolerância sob a lei dos funcionários públicos" e estão sujeitos a ações disciplinares.