Campanha para arrecadar 1 milhão de dólares em cripto para venezuelanos registra 60.000 beneficiários

Uma campanha de caridade para permitir a transferência direta de US$ 1 milhão em cripto em doações para venezuelanos registrou cerca de 60.000 beneficiários verificados e arrecadou US$ 272.000 até o momento. O desdobramento foi revelado em uma entrevista com o líder da campanha, Steve Hanke, para a National Public Radio em 21 de abril.

O professor Hanke é professor de economia aplicada na Universidade Johns Hopkins e que trabalhou como conselheiro econômico do ex-presidente venezuelano Rafael Caldera entre 1995 e 1996.

O professor Hanke destacou que a campanha, batizada de "Airdrop Venezuela", está usando a infraestrutura existente de e-wallet da blockchain e conectada aos bancos da startup AirTM, com sede no México. Juntamente com o AirUSD, um token cripto nativo denominado em dólares dos Estados Unidos, o serviço e-wallet também suporta mais nove criptomoedas, de acordo com um comunicado de imprensa de 2018.

O professor Hanke disse ao NPR que a campanha pretende que 100.000 venezuelanos registrados se qualifiquem para receber US$ 1 milhão em doações. Juntamente com os 60.000 beneficiários cadastrados, US$ 272.000 foram levantados desde o seu lançamento no outono de 2018.

Em resposta à pergunta da NPR sobre relatórios que o CEO da AirTM, Ruben Galindo, expressou o desejo de trabalhar com o líder da oposição venezuelana Juan Guaido no futuro, o professor Hanke enfatizou que as intenções da AirDrop Venezuela são “puramente humanitárias [...] motivação política. É só para ajudar as pessoas a dar-lhes algum poder de compra.”

Ele ressaltou que o projeto tem como objetivo demonstrar como a cripto pode ser usada por agências de ajuda humanitária em todo o mundo para prover fundos e ajuda às pessoas necessitadas com segurança e transparência.

Enquanto o país enfrenta uma crise política ainda em curso e uma contínua turbulência econômica, os volumes de negociação de Bitcoin (BTC) na Venezuela atingiram recordes históricos em fevereiro.

O Cointelegraph traçou o destino cada vez mais polêmico da controversa criptomoeda nacional apoiada pelo petróleo, o Petro (PTR), lançado oficialmente em 2018. O líder da oposição venezuelana e presidente atuante Juan Guaido rejeitou os planos do atual presidente Nicolas Maduro para o Petro como uma farsa já em dezembro de 2017.