Companhias Britânicas Compram Bitcoin para Resgates á Medida que Ataques Crescem

Houve um crescimento notável na compra de Bitcoin por algumas das maiores empresas e negócios na Grã-Bretanha, já que o medo de um ataque ramsonware ainda é grande.

Houve alguns grandes hits nos últimos tempos que viram empresas e instituições tão grandes como os National Health Serviços Nacionais de Saúde e a FedEx obrigados a pagar resgates em Bitcoin.

Negociando com terroristas

Esta tendência de se preparar para o resgate das empresas britânicas não é nada de novo, como foi relatado no início de junho, que até um terço das empresas no Reino Unido estavam guardando Bitcoin já antecipadamente.

No entanto, apesar do conselho da aplicação da lei ser de que as empresas não deveriam pagar os resgates, o número de empresas que conquistaram a moeda digital cresceu.

A taxa média que um indivíduo tem que pagar para recuperar suas informações também está crescendo, já que era de £ 250 por vítima em 2014 para £ 830 em 2016, e aumentando ainda mais.

Apertando forte, mantendo-se grande

Estima-se que as empresas detenham em média £ 46.000, com empresas maiores com £ 136.000. Parece uma quantia bastante grande, mas um provedor de hospedagem web coreano foi forçado a pagar US$ 1 milhão em um ataque ransomware para restaurar dados de um ataque que infectou 3.400 sites separados.

A gigante espanhola de telecomunicações Telefonica enfrentou 85% de computadores desligando depois que hackers se infiltraram em seus sistemas exigindo US$ 550.000 em Bitcoin, em maio.

Tornou-se parte do orçamento de muitas empresas reservar dinheiro suficiente para construir um estoque que seria usado no caso de um hack.

Cibercrime é a nova rotina

A facilidade com que os criminosos estão conseguindo hackear grandes empresas tem muito a ver com a maneira como elas abordam as coisas. Tornou-se um golpe profissional que vê o retorno dos dados ser feito através de um "suporte ao cliente" amigável.

Quando as vítimas são forçados e pagam o retorno de suas informações, são atendidas por um agente através de uma chamada de tipo Skype ou uma caixa de bate-papo que os ajuda a recuperar seus dados em instruções passo a passo.

Além disso,um consultor de segurança explicou a forma como o crime cibernético é organizado, explicando sua eficácia.

"O que estamos vendo é criminalidade que funciona em torno de um modelo de negócios convencional. Você tem pessoas que são efetivamente funcionários, que atuam em um escritório, que passam o dia extorqundo dinheiro ou enviando ataques de negação de serviço, fazem uma pausa para um sanduiche e depois vão para casa para colocar as crianças na cama. Não ficaria surpreso se tivessem uma turma num restaurante e academia".

Pego cochilando

Andrew Beckett, chefe da defesa cibernética da empresa de risco empresarial Kroll, disse que os hackers estão liderando o caminho, e com o Bitcoin, o anonimato, o poder da Internet e uma multiplicidade de outros fatores, eles detêm todo o poder.

"O aumento do malware como um serviço onde tudo o que você faz e vai é comprar o ransomware e conectar o endereço IP da sua vítima ou uma variedade de endereços IP, significa que a investigação por parte da aplicação da lei leva você de volta no máximo um limbo. A única conexão entre vários ataques é um cara que vendeu seu programa para várias pessoas ".

O resultado é uma indústria de crescimento sinistro que as empresas estão lutando para antecipar armazenando o Bitcoin e o que os especialistas avisam que o mundo ainda não está pronto para repelir.

Beckett acrescentou: "O mundo foi pego cochilando na medida em que não temos os recursos, nem as ferramentas nem pessoas experientes, para combatê-lo na escala em que chegaram. Vai mudar. Mas, por enquanto, estamos no ponto de vista defensivo no lado perdedor de uma corrida armamentista ".