Bloomberg: cripto não é realmente comparável a classes de ativos tradicionais, futuro é incerto

A Bloomberg detalhou o curso da volatilidade da criptomoeda, atividade de negociação e correlação com outros ativos durante um período de 16 meses. Em um artigo publicado na quarta-feira, 2 de maio, ela conclui que as performances passadas ​​da cripto não garantem seu futuro.

A Bloomberg começa observando que o Bitcoin (BTC) - e as criptomoedas em geral - têm uma volatilidade tão extrema que atualmente não são úteis para pagamento em lojas ou salários. O artigo observa que os únicos investimentos não relacionados à cripto que mostraram volatilidade semelhante à cripto neste período de 16 meses são uma empresa sul-africana que enfrenta um escândalo contábil e um banco russo que sofreu "o maior resgate financeiro da história da Rússia".

Refletindo sobre o domínio do Bitcoin, seu volume de negociações e sua participação no mercado são exponencialmente mais altos do que quaisquer outras criptomoedas, ao contrário das ações tradicionalmente negociadas, com sua distribuição relativamente uniforme. A Bloomberg cita o fundador da LDJ Capital, David Drake, observando que isso significa que a negociação nas criptomoedas menores deve ser considerada semelhante ao investimento em capital de risco em estágio inicial.

A Bloomberg também mostra como as criptomoedas estão relacionadas às classes de ativos tradicionais, concluindo que o relacionamento, se houver, é atualmente fraco. Criptomoedas tendem a se mover umas com as outras, com exceção do Tether, que é apoiado no dólar, aponta a Bloomberg.

 Como um ponto final, a Bloomberg traz à tona o fato de que os altos retornos possíveis através das ofertas iniciais de moedas (ICO) podem ser prejudicados devido ao crescente escrutínio do governo, como a sondagem de criptomoedas da Commissão de Valores Mobiliários (SEC) informou em março. Como o futuro é incerto, segundo a Bloomberg, "os investidores devem seguir com cautela".

O gigante bancário tradicional Goldman Sachs disse que eles abririam uma mesa de comércio de cripto após o banco ter sido "inundado" com pedidos de clientes pelo serviço.