Blockchain para eleições: vantagens, casos, desafios

A lista de usos potenciais da tecnologia blockchain abrange muitos setores diferentes, com a crença de que quase todas as facetas da vida, das finanças, tecnologia, economia e sociologia, podem ser disrompidas por essa força descentralizada.

No entanto, é na política, e especialmente nas eleições, onde há um frissom sendo construído sobre a influência positiva que a tecnologia blockchain pode trazer para as urnas. As eleições estão sujeitas a escrutínio e corrupção há tanto tempo que muitos no espaço tecnológico, bem como os comitês eleitorais, estão vendo o blockchain como o futuro de eleições justas.

Já houve alguns casos de uso casos de uso em que o blockchain veio em auxílio de eleições. Diferentes países e organizações começaram a experimentar o livro-razão distribuído imutável que oferece transparência e segurança.

Porém, a bola está apenas começando a rolar, já que em todo o mundo as urnas digitais e as eleições blockchain fazem grandes progressos.

De Serra Leoa à Virgínia

Em 7 de março, foi noticiado como aparentemente Sierra Leoa foi o primeiro país do mundo a empregar a tecnhologia blockchain em suas eleições presidenciais - segundo o CEO da Agora, Leonardo Gammar.

Entretanto, parece que Gammar acabou se afobando, já que a tecnologia não havia sido usada diretamente para contabilizar os votos, mas sim juntamente com o processo normal, como uma demonstração de como a eleição poderia ser conduzida usando a tecnologia blockchain.

Isso levou a uma tempestade na mídia quando o governo de Sierra Leone negou o uso de blockchain e forçou Gammar a se retratar, o que ele fez à Cointelegraph, afirmando que eles estavam tentando mostrar suas possibilidades.

Apesar do furor, permaneceu o fato de que as eleições no blockchain estavam começando a aparecer e parecia haver interesse na possibilidade de organizações tão grandes quanto os governos nacionais recorrendo à tecnologia para seu possível uso.

Gammar disse à Cointelegraph que a Comissão Nacional de Eleições de Serra Leoa ainda estava interessada em tê-los de volta para as eleições programadas para o país.

“As próximas eleições estão chegando dentro de algumas semanas e eu voltarei a Serra Leoa para ver como podemos demonstrar e desenvolver o potencial de votação da blockchain. Eles ainda estão ansiosos para ver o que pode ser feito apesar desta tempestade na mídia.”

Em escala un pouco menor, mas igualmente importante, se deram as eleições primárias da Virgínia Ocidental em 8 de maio, quando houve a conclução da primeira votação governamental através blockchain na história dos EUA.

Mais uma vez, esta não foi uma eleição completa no blockchain, já que estava disponível apenas para um seleto grupo de eleitores, como membros militares. No entanto, a resposta foi novamente positiva, pois a experimentação com o uso de blockchain na votação continua a ser aumentada.

Mike Queen, diretor de comunicações da Secretaria de Estado da Virgínia Ocidental Mac Warner, disse:

"[O gabinete do secretário acredita que o] blockchain oferece um nível elevado de segurança neste tipo de aplicativo de votação móvel. Estamos realmente esperando que isso permita que esse tipo de aplicativo móvel seja disponibilizado no futuro - talvez tão logo quanto nossa eleição geral - para eleitores militares".

Todavia, enquanto a eleição na Virgínia Ocidental parece ter saído sem problemas, há alguns que a consideram isso “uma loucura total”.

Duncan Buell, um professor de ciência da computação da Universidade da Carolina do Sul que se concentra em sistemas de votação e integridade eleitoral, tem se oposto fortemente ao voto digital de 2015 e parece que essa nova ideia de votação blockchain traz muitas questões.

"Eu me oponho fortemente ao voto eletrônico, e acho que toda a noção de votação pela internet é uma loucura total", diz Buell.

“Há vários problemas que surgem. O primeiro é a autenticação. Como você verifica quem está do outro lado da tela?”

Ele está mais se referindo à empresa, Voatz, que fez a eleição aqui e seus protocolos, que incluem a tecnologia de digitalização de impressões digitais ou reconhecimento facial nos smartphones de seus usuários, mas Buell afirma que eles podem ser hackeados.

O que o blockchain oferece?

O interesse na tecnologia blockchain, substituindo os métodos eleitorais tradicionais, tem vantagens potenciais devido à grande atualização tecnológica de como as eleições são realizadas atualmente. Muitas eleições nacionais ainda acontecem usando um sistema baseado em papel, deixando enormes buracos na segurança e espaço para violações, fraude e corrupção.

O Blockchain oferece um sistema atualizado para os eleitores que poderia potencialmente resolver essas questões.

Seus ativos tradicionais, como sua transparência, permitem que os votos sejam seguidos, contados e correlacionados por muitas fontes diferentes, mantendo a privacidade dos eleitores devido às transações anônimas ao longo da blockchain.

A segurança também é fundamental em eleições justas, pois cada votação precisa ser protegida e respeitada, o que geralmente não é o caso.

A empresa de segurança cibernética Kaspersky Lab introduziu um sistema de votação on-line seguro baseado em blockchain apelidado de Polys. O site do projeto explica:

“A votação [on-line] impõe exigências extremamente rígidas sobre a segurança de todos os aspectos da votação. Acreditamos que a tecnologia blockchain é o elo perdido na arquitetura de um sistema de votação on-line viável”.

Nimo Naamani, da Horizen State, uma empresa que está trabalhando para construir sistemas de votação seguros, disse à Cointelegraph por que organizações tão grandes quanto os governos nacionais estão de repente interessadas em eleições blockchain:

“Eleições são o coração da democracia. Qualquer governo ou comitê eleitoral vai levar seu trabalho muito a sério quando se trata de mudar a forma como as eleições são realizadas”.

Naamani explicou que a Horizon State está atualmente em conversações com dois governos, no entanto, ele não pode divulgar quais são eles. Mas suas respostas dão uma boa visão sobre a percepção desta tecnologia como está atualmente neste setor.

A Horizon State lançou recentemente suas ferramentas de consenso na Indonésia, o que poderia indicar de onde o epicentro do blockchain poderia estar vindo, embora Naamani ainda negue que a Indonésia seja um dos governos.

"Dos dois governos com que discuti sobre eleições gerais no blockchain - um disse que é interessante, mas eles não querem ser os primeiros", acrescentou Naamani. “Eles também mencionaram que o custo não é um grande problema para eles, mas a transparência e a responsabilidade são fundamentais.

"O segundo governo - eles estão pensando muito ativamente sobre isso, e eu acho que eles definitivamente terão uma eleição em andamento no blockchain nos próximos 4 anos."

Como acontece com frequência, a abordagem "esperar para ver" - que  também está afetando o setor bancário quando se trata de blockchain - é um fator que está retardando a adoção da nova tecnologia. No entanto, também é compreensível porque essas nações não estão mergulhando de cabeça nas eleições blockchain sem que testes sejam feitos. Como Naamani acrescentou:

“Quando você tem apetite por tecnologia e está na vanguarda, o governo e os reguladores farão o que puderem para alcançá-lo. No entanto, eles não arriscarão a eleição dando errado. Esta é uma situação que não deve falhar.”

Vai além da votação

Como a tecnologia blockchain ainda está nos estágios embrionários de sua disrupção em muitos aspectos da sociedade, ela ainda tem um longo caminho pela frente. No entanto, há alguns avanços reais nas finanças - os bancos estão construindo blockchains, as corporações estão descentralizando e avanços similares estão sendo feitos na política e na votação.

Porém, esses ainda são apenas exemplos de casos de uso nos quais a tecnologia pode se provar antes de se tornar uma tecnologia fundamental na qual os novos elementos básicos da sociedade são colocados.

Essa é a visão de Muhammed Arafath, da APLA blockchain, uma empresa que fornece plataformas blockchain para os governos integrarem seus aplicativos existentes. Um desses usos também está relacionado com votação, já que, em Dubai, a empresa está fornecendo pedidos de votação para empresas usarem em suas assembleias gerais anuais, etc.

Arafath vê o blockchain transcendendo casos de uso simples, como votação e eleições, e se tornando um "elemento fundamental".

"Se você me perguntar, isso é apenas a ponta do iceberg, o tipo de projetos em que estamos trabalhando, acreditamos que o blockchain irá essencialmente atravessar todas as indústrias, e tudo se resumirá na tecnologia fundamental."

“Esses casos de uso são apenas para testar e entender como o sistema funciona, é apenas para ter uma ideia do que para ir adiante. Haverá outros casos, que são mais profundos e mais envolventes, e mais no nível fundamental”, acrescentou Arafath.

“Eventualmente o blockchain se tornará a infraestrutura básica para que outras tecnologias sejam incorporadas, como IA, aprendizado de máquina e coisas assim.”

A infraestrutura blockchain

A tecnologia Blockchain certamente tem muitos casos de uso diferentes, com alguns mais avançados em termos de seu potencial e muitos diferentes em seu tempo de colocação no mercado. Entretanto, o crescimento e a sofisticação do blockchain em espaços como finanças e eleições levariam à criação de uma infraestrutura global de blockchain.

O fato de que grandes corporações, bancos e agora governos - tanto em termos de regulamentação quanto de eleições - estarem olhando profundamente para o blockchain significa que há um grande futuro para ele. Se for demonstrado que ele é um sucesso na eleição do líder de um país, ajudando a promulgar as necessidades democráticas e garantindo que a democracia seja promulgada de forma justa, não há muito mais que possa impedi-la.