Plataforma imobiliária baseada em blockchain recebe financiamento de US$ 3,1 milhões

A plataforma imobiliária RealBlocks, baseada em blockchain, fechou com sucesso uma rodada de seed funding - modelo de financiamento dirigido a projetos empresariais em estágio inicial - com o apoio da gestora de ativos digitais Morgan Creek Digitalinformou um comunicado divulgado nesta sexta-feira, 25 de janeiro. 

De acordo com o anúncio, uma rodada de US$ 3,1 milhões foi liderada pela empresa de comércio norte-americana Science Inc. com participação da Morgan Creek Digital, da Zelkova Ventures, da Ulu Ventures e da Cross Culture Ventures. Os montantes específicos dos investimentos não foram divulgados.

A RealBlocks projetou uma plataforma descentralizada que tokeniza ações de fundos private equity. A tecnologia também permite que investidores imobiliários vendam ações nos mercados doméstico e internacional, aceitem pagamentos em moedas digitais e fiat e possibilitem a negociação peer-to-peer em seu software. Explicando o investimento, Anthony Pompliano, fundador da Morgan Creek Digital, disse:

“2019 será um ano incrivelmente importante para projetos blockchain [...] Uma de nossas principais teses na Morgan Creek Digital é que todas as ações, títulos, moedas e commodities serão tokenizadas em algum momento no futuro”.

No ano passado, a Morgan Creek Digital, apoiada pela casa de investimento institucional Morgan Creek Capital, com US$ 1,5 bilhão em ativos sob gestão, lançou seu próprio índice de ativos digitais em parceria com a Bitwise Asset Management, empresa focada em criptomoedas.

O fundo oferece aos investidores credenciados, endowments, pensões e outros investidores institucionais a possibilidade de obter exposição indireta ao bitcoin (BTC), Ethereum (ETH) e outros oito grandes mercados de ativos, excluindo o Ripple (XRP) e o Stellar (XLM), criados como pré-mines.

A blockchain é amplamente testada no mercado de imóveis para o armazenamento dados, emissão de hipotecas digitais e registro de terras. Em junho, o Registro de Terras da Holanda anunciou que testaria a tecnologia blockchain para armazenar dados de imóveis nacionais. Em outubro, o Banco Chinês de Comunicações emitiu com sucesso US$ 1,3 bilhão em títulos lastreados de hipotecas residenciais usando a tecnologia blockchain.