Grande exchange baseada em Luxemburgo contrata novos funcionários para entrada na região Ásia-Pacífico

A exchange de criptomoedas com sede em Luxemburgo, Bitstamp, contratou Andrew Leelarthaepin para liderar seus esforços de desenvolvimento de negócios na região Ásia-Pacífico (APAC).

Em um comunicado à imprensa de 13 de novembro, a Bitstamp anunciou que Leelarthaepin se juntaria à empresa para expandir ainda mais a presença da exchange na região Ásia-Pacífico, "para atender o crescente nível de demanda pelos serviços das exchanges."

A luta da Bitstamp para estabelecer presença na Ásia

Miha Grčar, chefe global de desenvolvimento de negócios da Bitstamp, disse que a exchange já tem "uma excelente reputação" no Ocidente, mas até agora não conseguiu estabelecer uma presença local na região APAC. Grčar vê este novo contratado como um passo importante para alcançar esse objetivo e estabelecer-se na região e disse:

"O conhecimento de Andrew sobre os mercados financeiros globais e a experiência na região, o tornam um excelente parceiro para supervisionar a expansão da Bitstamp neste importante mercado."

Leelarthaepin trabalhou anteriormente em grandes instituições financeiras como JPMorgan Chase, CGS-CIMB Securities e Saxo Bank, onde administrava negócios de distribuição na região Ásia-Pacífico. Leelarthaepin comentou sobre sua nova posição:

“A adoção de criptomoedas na Ásia está crescendo a um ritmo vertiginoso e os mercados de commodities e ativos em geral são muito desenvolvidos. Eu acredito que há uma grande necessidade da abordagem madura da Bitstamp para criptomoedas nesta região e estamos ansiosos para expandir nossa presença aqui. ”

Bitstamp destaca a utilidade do Bitcoin

Em outubro, o CEO da Bitstamp, Nejc Kodrics, destacou a utilidade do Bitcoin (BTC), depois que fundos no valor de quase US $ 1 bilhão, mudaram de mãos por menos de US $ 4 em taxas. O CEO destacou que os fundos foram "transferidos em uma única transação pelo preço de uma xícara de café", referindo-se a quão fácil é realmente usar o BTC para grandes transferências de riqueza, sem a necessidade de aprovação do governo ou intermediários.