Bitgrail planeja reembolsar todos os usuários "atacados" com tokens auto-emitidos, desde que não movam uma ação judicial

A casa de câmbio digital italiana Bitgrail anunciou que prometeu reembolsar os tokens Nano (XRB) roubados em Fevereiro, em razão de um golpe no valor de $195 milhões, desde que os usuários assinem um acordo para renunciar a qualquer ação legal, segundo anunciou a Bitgrail em 14 de Março.

Em um comunicado de imprensa em seu site, a Bitgrail disse que "o uso da plataforma para as vítimas do roubo será vinculado pela assinatura de um acordo de liquidação. O último será caracterizado por uma renúncia expressa dos usuários a todo tipo de ação legal, e terá que ser formalizado através da compilação de um formulário ".

A Bitgrail não assumirá a responsabilidade pela violação de segurança, afirmando que, em vez disso, a falha no software é da Nano. O comunicado de imprensa continua, afirmando que há uma investigação em curso para estabelecer que o Bitgrail não é culpa, e é vítima de roubo:

"A BitGrail S.r.l. pretende enfatizar ter sido sujeita a um roubo, um crime tornado possível aproveitando as falhas nos softwares da equipe NANO e, portanto, por estas razões e de acordo com a lei, não é de modo algum responsável pela situação. "

A Bitgrail pretende pagar seus usuários criando um token, o Bitgrail Shares (BGS). Os usuários que foram afetados pelo roubo foram reembolsados 20% de seu valor perdido em XRB, com os restantes 80% para serem cobertos pela BGS.

Seguindo o ataque de 8 de Fevereiro, tanto a Bitrieil como o Nano queriam reivindicar a responsabilidade pelo ataque. Fundador e operador da Bitgrail, Francesco Firano, afirmou que o problema se originou da tecnologia "timestamp" do Nano e que o explorador de blocos da criptomoeda não era confiável. Firano afirmou que a falta de confiabilidade do explorador de blocos Nano tornou impossível para a empresa descobrir o que aconteceu.

Troy Retzer da Nano, explicou à Cointelegraph que a rede Nano Blockchain realizou uma ressincronização de seus nós em 19 de Janeiro, fornecendo cada bloco antes da data do roubo com um carimbo de data / hora.

Firano também alegou que o Nano fez observações depreciativas sobre Bitgrail, acusando a casa de câmbio de insolvência e negligência.

Retzer respondeu as alegações dizendo: "é difícil para nós ajudar a resolver a situação devido à falta de informações sobre o alegado ataque". Ele (Troy) alega que a Bitgrail não conseguiu esclarecer detalhes básicos, incluindo a quantidade real de tokens XRB roubados.  

De acordo com o explorador público Blockchain para Nano, a Bitgrail usou uma carteira quente para armazenar XRB, que é vulnerável a ações de hackers e ataques cibernéticos.