Bitcoin vendido a US $ 9.5k no Zimbábue, enquanto a Venezuela ganha "100k" de novos mineradores de Bitcoin

O Zimbábue continua sua luta pela segurança do Bitcoin, já que a escassez do dólar norte-americano leva casas de câmbio a cobrar US $ 9.500 por moeda na segunda-feira.

A análise da plataforma local Golix.io revela que as taxas de compra e venda do Bitcoin totalizaram US $ 10.000 nos dias anteriores.

Atualmente os comerciantes podem comprar BTC por US $ 9.500 e vender em US $ 9.380.

Chart

Nascente criptoeconomia no Zimbábue

O conturbado estado da nascente criptoeconomia do Zimbábue revela as dificuldades econômicas que a população do país enfrenta, à medida que a inflação aumenta novamente e a escassez de dólar em dinheiro se torna cada vez mais presente.

Vince Musewe, um economista baseado em Harare, contou à publicação de notícias local The National:

"O problema é exatamente o oposto do que era durante a hiperinflação. Naquele tempo havia muito dinheiro em dinheiro, mas não havia bens nas lojas. Agora, há produtos nas prateleiras, mas não há dinheiro para comprá-los".

Em maio, o governo admitiu que estava importando US $ 10 milhões de verdinhas todas as semanas para aumentar a disponibilidade.

Banco de provas avançado da Venezuela

Enquanto isso, no mais avançado "banco de provas" do Bitcoin, a Venezuela, é a mineração de Bitcoin que está atingindo níveis sem precedentes, com relatórios sugerindo que mais de 100 mil cidadãos estão envolvidos na prática.

Embora sujeita a uma repressão estatal no início deste ano, o uso da rede nacional para arraigar lucros extra do comparativamente estável Bitcoin provou ser uma oportunidade boa demais para se desperdiçar para aqueles cuja moeda fiduciária nacional é praticamente sem valor.

O colaborador Randy Brito, que informou o número, explicou à AFP no fim de semana:

"Quem compra Bitcoins com bolívares ganha dinheiro aumentando o preço do Bitcoin contra o dólar e escapa da inflação".