O preço da Bitcoin pode subir à medida que os bancos italianos enviam sinais de alarme para a Europa

Depois da Grécia e Chipre, a península italiana está enviando sinais alarmantes, enquanto novas regras bancárias europeias são suscetíveis de restringir a ação do Estado.

Em 25 de junho, o governo italiano formalizado o resgate de dois bancos de investimento de médio porte - Banco Popolare di Vicenza e Veneto Banca - à beira da falência, depois de não encontrar nenhum investidor nos mercados para ajudá-los.

Tais situações estão levando os investidores em toda a Europa a questionar a segurança do sistema bancário. Os atributos específicos do resgate sem precedentes dos bancos do Chipre em 2013 levaram a um aumento significativo no preço Bitcoin, como os investidores procuraram refúgios seguros e acesso à liquidez. Ainda temos que ver como futuros resgates bancários terão impacto sobre os sistemas financeiros alternativos propostos por criptomoedas.

O custoso resgate dos bancos venezianos

O Estado italiano vai colocar € 4,785 bilhões sobre a mesa para que o Intesa Sanpaolo, o primeiro banco de varejo do país, assuma os dois bancos. Pier Carlo Padoan, Ministro da Economia, disse que o custo total das garantias públicas nessa transação poderia ascender a € 17 bilhões, para cobrir os créditos deteriorados dos dois bancos.

O resgate dos dois bancos foi realizado pelo governo, portanto, com fundos públicos italianos, e não por um mecanismo europeu. Esse resgate poderia permitir a Itália resolver à sua maneira esta crise, a mais recente em um setor bancário italiano que está se dobrando sob a pressão de créditos de liquidação duvidosa, que representam um terço do total da área do euro.

O que deve ser observado a partir deste resgate é que era impossível liquidar estes dois bancos, sem invocar o dinheiro do contribuinte. Neste caso italiano também mostra os limites do DRRB (Diretiva de Recuperação e Resolução do Banco), que se baseia no princípio de que nenhum centavo de dinheiro público deve ser dado para salvar um banco mal gerido. Não sem pesar no campo daqueles que queriam romper os laços entre os Estados e os bancos.

Evitada a falência do Banco Popular

O Santander comprou o Banco Popular Espanol SA após seu colapso por um euro simbólico. O grupo garante a continuidade dos negócios do Banco Popular sem os depositantes tendo sido afetados. Este é o primeiro teste de falência de sucesso para a União Bancária Europeia.

O anúncio encerra semanas de suspense, durante as quais a gestão do problemático banco buscou uma solução para resolver os seus problemas de liquidez. A situação tornou-se insustentável, enquanto o Banco Popular foi pego em uma espiral de mercado de ações, que viu a sua capitalização na bolsa de Madrid cair de € 2,7 bilhões para € 1,4 bilhão em uma única semana.

O Popular torna-se assim o primeiro banco a ser resgatado pelo novo mecanismo europeu destinado a impedir o contágio de crises bancárias nos Estados. Enquanto a operação impõe pesadas perdas sobre os acionistas, que vai garantir a segurança dos depósitos e a continuidade da atividade comercial. "Damos as boas-vindas aos clientes do Banco Popular", anunciou Ana Botin, presidente do Grupo Santander, em mídias sociais. "Vamos trabalhar para lhes proporcionar o melhor serviço durante este período de transição e no futuro."

Do lado do governo, que tinha insistido nos últimos dias sobre a estabilidade do setor financeiro espanhol, o ministro da Economia Luis de Guindos enfatiza que a operação não tem nada a ver com o resgate da Bankia. Em 2012, de Guindos envolveu a mobilização de € 22,4 bilhões de fundos públicos, fazendo com que o mercado dúvidasse da solvência do país.

Desta vez, as notas do ministro, "a operação ocorre sem fundos públicos e sem qualquer contágio entre risco soberano e bancário. A situação atual é muito diferente da de 2012, devido à boa saúde de todo o setor financeiro e da economia espanhola em geral".

Salvamentos bancários estão de volta

Apesar de todo o dinheiro gasto para melhorar a situação dos bancos em dificuldades no passado, países como Portugal e Itália ainda enfrentam instabilidade financeira, como a economia local continua lutando e outras injeções de contribuintes são necessárias.

Outro resgate público está sendo preparada na Itália, o do Monte Paschi, o quarto banco italiano. O resgate planeja injetar € 6,6 bilhões em auxílios estatais, que serão anunciados oficialmente pela Comissão Europeia em breve.