Mineração de Bitcoin usará 0,5% da energia mundial até o final de 2018

O economista Alex de Vries, publicou um artigo chamado "Bitcoin’s Growing Energy Problem", ontem, 16 de maio, na revista científica Joule, disse ao Independent que a mineração de Bitcoi (BTC) usará 0,5% da energia mundial até 2018.

De Vries conclui que como a rede BTC atualmente consome cerca de 2,55 GW de eletricidade e vai avançar para um consumo de 7,67 GW no futuro (para referência, a Irlanda consome 3,1 GW e a Áustria 8,2 GW), a rede “tem um grande problema e está crescendo velozes." No entanto, ele observa que soluções como a Lightning Network “podem aliviar a situação”.

A mineração de Bitcoin requer energia para realizar os cálculos - hashes - que dão aos mineradores recompensas Bitcoin. Em meados de fevereiro, foi relatado que a mineração cripto na Islândia consumiria mais energia do que as casas de famílias em 2018. O debate sobre se a mineração Bitcoin é excessivamente prejudicial para o meio ambiente é visto por alguns como um "não-problema", devido à real necessidade do Bitcoin em países sub-bancados.

De Vries disse ao Independent, no entanto, que "meio por cento já é bastante chocante:"

"É uma diferença extrema em comparação com o sistema financeiro regular, e essa demanda crescente de eletricidade definitivamente não vai nos ajudar a alcançar nossas metas climáticas".

O estudo científico detalha os diferentes tipos de mineradoras de Bitcoin e seu uso individual de energia, observando que “tentar medir a eletricidade consumida pelas máquinas de mineração Bitcoin produzindo todos esses cálculos de hash continua sendo um desafio até agora De Vries usa Antminers de Bitmain como seu principal exemplo para mostrar quanta energia cada máquina usa em seu tempo de vida.

Como o estudo de De Vries é o primeiro sobre o consumo de energia do Bitcoin, ele espera que seu trabalho “inicie a conversa”, já que ele acredita que o mundo precisa de “mais discussões científicas sobre onde essa rede está indo”. opõe-se a "cálculos de fundo", disse ele ao Independent.

Por outro lado, a tecnologia blockchain por trás do Bitcoin, está sendo usada para aliviar o impacto ambiental em alguns casos. Esta semana, a IBM anunciou uma parceria com a Veridium Labs com o objetivo de simbolizar os créditos de carbono para permitir às empresas rastrearem melhor sua pegada de carbono através do blockchain, potencialmente permitindo-lhes reduzir seu impacto de carbono.