Mineração de Bitcoin gasta mais eletricidade do que casas, mas isso não é um problema

Os analistas estão preocupados com o fato de que os centros de mineração de criptomoedas e Bitcoin estão gastando muita eletricidade e que o processo de verificação de transações de criptomoedas pode piorar o ambiente global.

Justificação da mineração em Bitcoin e criptomoedas

Em dezembro de 2017, vários "analistas" criticaram o consumo de eletricidade dos centros de mineração Bitcoin e criptomoedas, chamando o processo de mineração de um "desastre ambiental". Mais cedo o Cointelegraph informou que a mineração de criptomoedas provavelmente excederá o consumo de eletricidade de famílias em 2018.

Smari McCarthy, do Partido Pirata da Islândia, afirmou que o consumo excessivo de mineração Bitcoin não é prático porque o principal caso de uso da Bitcoin é a "especulação financeira".

"Estamos gastando dezenas ou talvez centenas de megawatts na produção de algo que não tem existência tangível e nenhum uso real para humanos fora do domínio da especulação financeira. Isso não pode ser bom".

Se ambientalistas e analistas acharem que o principal uso do Bitcoin e outras criptomoedas é a especulação financeira, o consumo de uma enorme quantidade de eletricidade pode ser considerado impraticável. No entanto, a principal aplicação do Bitcoin não é uma especulação financeira. Nos países em que existe uma luta para obter acesso a serviços financeiros, o Bitcoin opera como uma moeda eficiente.

Na Venezuela, por exemplo, os residentes locais estão usando o Bitcoin para pedir alimentos, bens básicos e remédios de fora do país porque o bolívar venezuelano, a moeda nacional do país, perdeu quase todo seu valor, e tornou-se virtualmente inútil.

O algoritmo de consenso de comprovação de trabalho do Bitcoin (PoW) usa o poder de computação global para verificar transações e produzir novas criptomoedas através de um sistema matemático. O sistema PoW da Bitcoin não permite que os hackers obtenham acesso ao protocolo descentralizado e permite que a rede Bitcoin Blockchain assine as transações em uma base de usuário para usuário, sem intermediários. Portanto, criticar o consumo de eletricidade para energizar as moedas descentralizadas que estão impondo um grande impacto sobre a economia global é ilógico, e é especialmente julgar que a aplicabilidade das criptomoedas e da tecnologia Blockchain se limita à especulação financeira.

A especulação existe em qualquer setor que esteja no estágio inicial de crescimento. No início, os investidores vão especular sobre a tendência do valor e dos preços das criptomoedas e cripto investimentos. No entanto, à medida que a indústria vence e o mercado evolui, os investidores inevitavelmente passarão da especulação à utilização de tokens para utilidade e fungibilidade.

Produção de eletricidade renovável

O consumo de eletricidade é um problema? Provavelmente um que o mercado resolve

Evidentemente, os custos de eletricidade contribuem significativamente para os custos operacionais dos centros e instalações de mineração. Como tal, os mineradores de criptomoedas se concentram em reduzir seus custos operacionais e maximizar suas margens de lucro usando fontes de eletricidade baratas.

Em regiões como o nordeste da China, Peru e Chile, o fornecimento de eletricidade gerada a partir de fontes renováveis é tão abundante que a eletricidade é distribuída gratuitamente. O Chile, por exemplo, em 2016, produziu tanta energia solar que liberou a maior parte de tudo gratuitamente. Desde então, o governo do Chile construiu mais plantas solares e focado em infraestruturas de construção para gerar eletricidade limpa suficiente para alimentar todo o país sem custos adicionais.

É importante reconhecer que o consumo mínimo de eletricidade não renovável e dispendiosa é de interesse e benefício dos mineradores de criptos. É por esta razão particular que muitos mineradores se mudaram para regiões como o nordeste da China, Chile, Noruega e Islândia, onde podem obter eletricidade barata a partir de fontes renováveis e, naturalmente, esfriam suas instalações com clima frio.

Na Islândia, de acordo  com a NEA (National Energy Authority), quase 100% da energia e da eletricidade são gerados a partir de fontes renováveis. A energia hidrelétrica e geotérmica representam 99,8% da eletricidade da Islândia. Na Noruega, outro país popular para as minas de criptomoedas, hidrelétricas somam 95% da eletricidade gerada pelo país. Em ambos os países, a eletricidade utilizada pelas famílias e instalações é quase inteiramente gerada por energia limpa e renovável.

É benéfico para os mineradores se mudarem para países como a Islândia e a Noruega, porque a eletricidade barata diminui substancialmente os custos operacionais. Como tal, os mineradores sempre procuram regiões com eletricidade mais barata e, como resultado, alvejam fontes renováveis de eletricidade em países com abundantes fontes de energia. Se os mineradores de criptomoedas usam eletricidade sobrante em regiões com abundantes suprimentos de eletricidade renovável, então não é uma questão para o meio ambiente global.

Em uma entrevista, Johann Snorri Sigurbergsson, porta-voz da HS Orka, afirmou que, se todas as instalações de mineração de criptomoedas que se deslocalizem para a Islândia permaneçam no país, a região não terá energia suficiente para suportar esses centros.

"Se todos esses projetos forem realizados, não teremos energia suficiente para isso. O que estamos vendo agora é ... você quase pode chamar de crescimento exponencial, penso eu, no consumo [de energia] de data centers ".

Não há motivos para não acreditar nesse cenário. Mas não vamos esquecer como funciona a economia de mercado. Se a energia se tornar cara na Islândia devido à escassez, os mineiros de criptomoedas inevitavelmente serão transferidos para outras regiões com eletricidade mais barata.


Siga-nos no Facebook