Bitcoin se reduz a quase US$8 mil em meio à proibição de anúncios cripto do Bing

16 de maio: Os mercados cripto viram um declínio acentuado nas últimas 24 horas com quase todas as 100 principais moedas listadas no Coinmarketcap (CMC) no vermelho.

 

Visualização do mercado do Coin360

Depois de perder o suporte de US$9.000 em 11 de maio, o Bitcoin (BTC) continuou sua queda, agora se aproximando do nível de US$8.000. Tendo perdido cerca de 3% de seu valor em 24 horas, a criptomoeda original está sendo negociada atualmente em US$8.303. Apesar desta queda mais recente, o Bitcoin registrou ganhos de 3,4% nos últimos 30 dias, de acordo com o Cointelegraph Price Index.

Gráfico de preços de Bitcoin. Fonte: Cointelegraph Bitcoin Price Index

Ethereum (ETH) caiu abaixo de US$700, agora pairando em torno da marca com uma perda de quase 4 porcento ao longo de 24 horas.

Gráfico de preços Ethereum. Fonte: Cointelegraph Ethereum Price Index

O valor total de mercado perdeu quase US$100 bilhões nos últimos 10 dias, caindo para US$381 bilhões no momento da impressão.

 

Gráfico de capitalização de mercado total. Fonte: CoinMarketCap

A EOS e a Stellar (XLM) viram alguns dos maiores declínios ao longo de 24 horas - quase 10 porcento cada. As moedas estão atualmente sendo negociadas a US$12,20 e US$0,33, respectivamente.

O Bitcoin Cash (BCH) caiu quase 9% em um período de um dia, sendo negociado a US$1.273 no momento da impressão. Ontem, 15 de maio, o BCH implementou um garfo rígido que aumentou seu tamanho de bloco de 8MB para 32MB e reativou códigos de operação de script Bitcoin (códigos Op) - uma atualização, que até agora aparentemente não produziu um efeito positivo no preço.

O declínio nos mercados de criptomoedas coincidiu com a recente decisão do Bing, de propriedade da Microsoft, de se unir às fileiras de outros gigantes da internet para banir os anúncios relacionados à criptos de sua rede até julho de 2018.

Criptomoedas também foram criticadas pelas autoridades financeiras européias. O membro do conselho do Banco Central Europeu (BCE) Yves Mersch afirmou que os bancos deveriam "segregar" suas transações cripto de outras atividades, citando a alta volatilidade dos mercados de criptos e enfatizando que os tokens digitais "não se qualificam como dinheiro".