Binance devolve BTC congelado após usuário 'prometer' não usar CoinJoin

Os usuários de Bitcoin (BTC) que empregam a ferramenta de privacidade CoinJoin para adicionar anonimato às suas transações se surpreenderam com a Binance, após a exchange congelar uma retirada.

Em um debate no Twitter iniciado em 19 de dezembro, um usuário chamado Catxolotl enviou o que parecia ser uma correspondência da equipe da Binance Singapore, afirmando que havia iniciado uma "investigação" sobre a retirada de uma quantidade desconhecida de BTC.

Binance: nós "não toleramos" CoinJoin

A razão, disseram eles, era que o usuário Catxolotl estava usando o CoinJoin através do provedor de carteira Wasabi. Um representante da Binance confirmou o problema em comentários privados, explicando:

“A Binance SG opera de acordo com os requisitos estabelecidos pelo MAS (orgão regulador), através do nosso parceiro regulamentado, Xfers. Portanto, existem controles AML CFT estabelecidos para a Binance SG. Infelizmente, esse usuário acionou um de nossos mecanismos de controle de risco e, portanto, estamos conduzindo uma investigação mais profunda.”

CoinJoin refere-se a um método de agrupar transações de Bitcoin, "misturar" saídas de transações não gastas (UTXOs) e ocultar quem enviou o que para qual endereço, a fim de aumentar a privacidade de todos os usuários.

De acordo com a Binance, incluindo o CEO Changpeng Zhao (conhecido como "CZ"), os regulamentos de Singapura deixam claro que as transações com CoinJoin não eram mais permitidas.

"No entanto, neste momento, a Binance Singapore não tolera nenhuma transação direta e indiretamente associada a sites de jogos de azar, P2P e especialmente darknet/mixer", diz um e-mail subsequente.

Catxolotl confirmou que havia recebido a posse dos fundos após o ocorrido:

“Atualização: recuperei meus sats, mas não sem prometer ao big brother que não usaria mais UTXOs. Espero que todos tenham tirado algo disso."

Além do controle?

Enquanto isso, nem a Binance e nem CZ pediram desculpas, pelo que consideravam um procedimento normal de acordo com as leis locais, isso fez explodir um feroz debate nas mídias sociais, com figuras conhecidas do Bitcoin entrando em conflito com a decisão de erradicar transações com privacidade aprimorada.

“Alguns defendem o uso do CoinJoin como uma "melhor prática", mas não informam necessariamente sobre os riscos”, escreveu o usuário do Twitter.

E continuou:

“Para sua informação, um risco de usar o CoinJoin é que a @chainalysis ou outros aumentarão a sua 'pontuação de risco'. @binance e outros usam estes fornecedores e partilham dados".

Zucco respondeu da mesma maneira, destacando os sentimentos confusos da indústria sobre o que permanece um sério desafio, à medida que mais consumidores optam por se envolver com o Bitcoin.

"Alguns defendem NÃO usar o CoinJoin como uma maneira de agradar burocratas e políticos, mas não necessariamente informam sobre os riscos", escreveu ele.

Ele concluiu:

"Para sua informação, o risco de NÃO usar o CoinJoin é estar sendo espionado por todos, incluindo sequestradores, extorsionistas, perseguidores, concorrentes e ex-esposas loucas."

A controvérsia se estendeu à carteira Wasabi e o CoinJoin. Nicolas Dorier, criador do gateway de pagamento de Bitcoin de código aberto BTCPay, reagiu às sugestões de que a Wasabi poderia controlar como suas transações eram feitas nas exchanges.

“Qualquer pessoa que diga que @wasabiwallet tem alguma maneira técnica de impedir que seus usuários sejam assediados pela binance está falando merda. Nenhum esquema pode impedir isso no momento”, escreveu ele.

Enquanto isso, CZ lançou um post no blog sobre a natureza dos regulamentos com os quais a Binance é obrigada a cumprir.