Bielorrússia Aposta no Blockchain e Criptomoedas com vista a Convidar Fundos Internacionais

A Bielorrússia elaborou um projeto de lei nesta semana que aborda as esferas de TI de alta tecnologia, incluindo a tecnologia Blockchain, a criptomoeda e até mesmo automóveis sem motoristas, com a esperança de atrair investimentos internacionais em tecnologia que foram proibidos ou vistos como arriscados.

A Bielorrússia e este projeto de lei esperam puxar a tecnologia Blockchain e a criptomoeda para a grande mídia, não só no país da Europa Oriental, mas também internacionalmente.

Em sua própria versão do Vale do Silício - o Hi-Tech Park - o projeto de lei permitirá aos residentes deste hot spot do pensar à frente a oferecer serviços de cripto casas de câmbio, usar criptomoedas e tokens e lançar ICOs para arrecadar fundos similares à abordagem sandbox na Suíça.

Legalize

As criptomoedas enfrentaram uma posição regulamentar e legal ambígua no país até agora, mas com o projeto de lei, as moedas digitais, bem como a mineração associada a elas, serão legalizadas e promovidas.

Isso permitirá que grandes centros de mineração sejam formados, o que será altamente bem sucedido devido ao excesso e razoável eletricidade que está disponível nas estações de energia nuclear do país.

Banco em Blockchain

Com este projeto de lei, o Banco Nacional orgulhosamente anunciou que testou e aprovou o uso da tecnologia Blockchain na esfera bancária.

O Banco Nacional da Bielorrússia agora está pensando em usar o Blockchains como uma rede de informação dentro de processos bancários e não bancários.

O banco central criou um mecanismo de autorregulação para a gestão e desenvolvimento da rede Blockchain da Bielorrússia utilizando o Conselho dos Nós (proprietários que certificam nós), cujos membros têm direitos iguais.

O primeiro uso prático desta rede Blockchain no setor de acordo com o Banco Nacional é a capacidade de transferir informações sobre garantias bancárias. O próximo passo será a introdução da tecnologia Blockchain no mercado de seguros.


Siga-nos no Facebook