Bielorrússia considera que a economia digital é uma prioridade máxima e desenvolve resolução para a reunião da OSCE

A Bielorrússia considera a digitalização da economia uma das principais prioridades e está desenvolvendo uma resolução que promove a economia digital para uma sessão da Assembleia Parlamentar da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE PA), informou o jornal local BelTA em 15 de maio.

Falando no Fórum Digital Eurasiano, o Ministro das Telecomunicações e Informatização, Sergey Popkov, disse que a tecnologia digital é considerada uma prioridade máxima devido a sua capacidade de transformar “a economia, administração pública e serviços sociais”. Popkov citou ainda o recentemente adotado Decreto sobre o Desenvolvimento da Economia Digital, que facilita a atividade relacionada à criptomoeda.

“O decreto adotado número 8 forneceu direitos sem precedentes aos moradores do Parque de Alta Tecnologia (HTP, ba sigla em inglês) da Bielorrússia de explorar tecnologias inovadoras como blockchain, criptomoedas e contratos inteligentes.”

Em uma declaração separada, o presidente da Câmara dos Representantes, Vladimir Andreichenko, revelou que a Bielorrússia está desenvolvendo uma resolução que promove a economia digital para uma sessão da OSCE PA em Berlim em julho deste ano. Andreichenko deu uma declaração sobre a próxima sessão quando se encontrou com o embaixador da Geórgia na Bielorrússia, Valeri Kvaratskhelia:

“... A resolução da Bielorrússia visa promover a economia digital. Ele também lida com as questões de crescimento econômico na região da OSCE, eliminação de vários obstáculos e barreiras, harmonização de padrões etc.”

A resolução já foi preparada e exigirá um número necessário de assinaturas na Câmara de Representantes da Bielorrússia. Andreichenko disse que a resolução também será enviada aos parlamentares da Geórgia para obter seu apoio.

Na semana passada, a mídia local informou que o Banco Nacional da República da Bielorrússia (NBRB) está considerando requisitos rigorosos para investimentos em ofertas iniciais de moeda (ICOs) e está planejando introduzir uma estrutura regulatória semelhante para as casas de câmbio de cripto. Os investimentos em ICO serão fechados a investidores autorizados, que devem cumprir dois de quatro critérios rigorosos para se qualificar.

Em 1º de maio, a Cointelegraph informou que o decreto relativo à criptomieda da Bielorrússia será atualizado para exigir que certas casas de câmbio de cripto forneçam dados de clientes às autoridades. Uma empresa deve fornecer informações sobre sua estrutura de gerenciamento, nomes de clientes e registros de comunicação. Os dados serão armazenados por cinco anos e os requisitos KYC serão aplicados a novos clientes em alguns casos.