Bancos e a indústria cripto: Ásia

O Bitcoin capturou a curiosidade global quando seu valor disparou em 2017. No entanto, as instituições financeiras têm demorado para agregar valor operacional ao mercado de criptos.

O denominador comum entre os lugares onde governos e bancos restringem os mercados digitais é a falta de transparência e controle que eles têm nasbolsas de câmbio. Muitas iniciativas de pesquisa lançadas por líderes globais de tecnologia financeira permanecem em estágios de desenvolvimento, enquanto autoridades governamentais e agentes financeiros lidam com a curva de aprendizado da nova tecnologia.

As duas maiores preocupações de criptos dos bancos globais são a dívida de clientes que não têm proteção contra a volatilidade do mercado; e riscos de segurança associados a trocas desreguladas, como financiamento do terrorismo, operações fraudulentas, lavagem de dinheiro e outros crimes financeiros.

Os observadores do mercado atribuem as severas flutuações no preço de mercado às restrições aleatórias que os órgãos governamentais mal equipados têm colocado nas transações virtuais. Governos e executivos do setor bancário alavancaram as leis contra lavagem de dinheiro (AML) e “Conheça seu cliente” (KYC), entre outras regulamentações existentes, a fim de obter mais controle e transparência nas transações desde a interrupção da criptomoeda nos mercados financeiros.

Ao contrário de restringir as criptomoedas, as instituições financeiras adotaram o potencial revolucionário da Blockchain. Mais de 90 bancos centrais em todo o mundo estão envolvidos em pesquisa e desenvolvimento da tecnologia. Várias plataformas foram cooptadas pelos bancos em um esforço para tornar as operações mais seguras e eficientes. As redes de blockchain poderiam eliminar os altos custos estruturais dos serviços financeiros, fornecer um registro compartilhado que minimiza o risco para os bancos e fortalecer os relatórios regulatórios da atividade bancária.

As autoridades fiscais, as agências de valores mobiliários e de câmbio, os credores e os governos nacionais têm participação no mercado de criptos não regulamentado, seja voluntária ou não. Em resposta, os líderes de todos os setores fizeram um esforço conjunto para abordar o novo setor e prometeram estratégias bem informadas e voltadas para o futuro para o desenvolvimento de regulamentações à medida que o mercado evolui.

O papel das instituições financeiras no mercado de tecnologia ainda é indeterminado, mas examinar a relação evolucionária entre os dois pode dar uma idéia do que esperar para o futuro dos bancos e das fintech.

A lista abaixo é baseada em uma pesquisa completa de notícias, mas de maneira alguma pode ser considerada completa.

China <> <>

O governo chinês reprimiu a atividade de criptos e sugeriu que os bancos suspendam os serviços aos clientes usando a moeda. As bolsas de valores e as ICOs foram proibidas em setembro passado, e as autoridades continuam com uma abordagem rígida e crítica às transações de criptos.

O governador do Banco do Povo da China criticou a moeda virtual em uma recente coletiva de imprensa na qual anunciou que os reguladores iriam aplicar mais empenho em investigar os câmbios de criptos por preocupação de que a especulação do mercado ameaçaria a estabilidade dos mercados domésticos.

No início de março, os reguladores financeiros da internet bloquearam as contas de mídia social no Wechat, uma plataforma de mensagens que conectava a China às trocas de criptos no exterior. O governo também proíbe publicidade cripto nas mídias sociais. Regulação intensa e monitoramento da internet na China levaram vários operadores a deixar o país em busca de refúgios como Hong Kong, Japão e Cingapura.

No entanto, algumas autoridades chinesas de alto nível aclamam a tecnologia Blockchain e lançaram a ideia de estabelecer plataformas de negociação de ativos controladas pelo estado, mas ainda podem excluir moedas criptografadas. Mais de 225 patentes Blockchain foram arquivadas na China em 2017, o maior número em comparação com qualquer outro país.

Outros inovadores de tecnologia não se intimidam com os intensos obstáculos regulatórios na China e, em alguns lugares, receberam financiamento de governos locais para iniciativas Blockchain. O governo chinês lançou o Blockchain Industrial Park, em Hangzhou, que pode gastar mais de US$2 bilhões em projetos Blockchain, dos quais 30% devem ser financiados pelo governo.

Japão <>

A indústria japonesa de criptos é a maior do mundo, de acordo com um relatório da Associação Japonesa de Negócios em Criptomoedas. O relatório revela que há mais de 3,5 milhões de participantes em cripto ativos no país e o volume de negócios da Bitcoin atingiu 97 milhões em 2017.

O governo japonês aprovou uma legislação em abril de 2017 que exige que as operadoras de bolsa relatem transações de criptomoeda em um esforço para garantir que os bancos estejam em conformidade com os regulamentos de AML. A comunidade de criptos é mais cooperativa com o governo depois que um dos maiores hacks de criptomoeda do mundo foi orquestrado em janeiro na plataforma de intercâmbio japonesa Coincheck.

O quarto maior banco do mundo, o Mitsubishi UFJ Financial Group, anunciou planos para emitir sua própria criptomoeda para fornecer negociações seguras e estabilizar as flutuações do mercado no Japão.

No início de abril, um grupo de pesquisa apoiado pelo governo propôs diretrizes e regulamentos para legalizar as ICOs. As diretrizes têm o potencial de se tornar lei dentro de alguns anos - uma posição notável, já que os governos da China e da Coréia do Sul baniram completamente as ICOs. A proposta reconhece as ICOs como títulos, semelhante à abordagem da SEC nos EUA.

Outros desenvolvimentos no mercado de criptos do Japão incluem o lançamento recente do consórcio bancário de um aplicativo móvel de pagamentos domésticos com tecnologia Ripple. Os criadores da Ripple também fizeram uma parceria com a Autoridade Monetária da Arábia Saudita e a Western Union para usar o sistema para transações de pagamento e liquidação entre clientes.

Coreia do Sul <> <>

Reguladores financeiros na Coréia do Sul compartilham preocupações semelhantes à China e ao Japão, e abriram uma investigação sobre a conformidade dos bancos locais com as diretrizes da AML e KYC em março, após o país ter visto um rápido crescimento dos mercados de criptos nos últimos seis meses. A Comissão de Supervisão Financeira da Coreia examinou pela primeira vez as contas bancárias das empresas em dezembro passado e proibiu a negociação anônima e exigiu o registro de contas comerciais sob nomes reais.

Semelhante à abordagem da China, as ICOs foram criminalizadas no final de 2017, mas o governo coreano pode adaptar as políticas de proteção aos investidores semelhantes às da SEC dos EUA para as ICOs a serem permitidas no futuro.

No entanto, a Coreia do Sul está entre os países mais progressistas no que diz respeito às políticas de criptos, que são vistas como esforços para proteger a indústria. O Ministério de Estratégia e Finanças da Coréia do Sul anunciou recentemente que liberará a estrutura tributária até junho.

O governo proibiu funcionários de possuir ou comercializar criptomoedas em março devido à preocupação com informações privilegiadas e corrupção. Desde que o governo aplicou mais fiscalizações aos câmbios, dois executivos seniores de um câmbio de criptos sem nome foram acusados ​​de peculato e fraude.

A associação Korean Blockchain, que foi oficialmente estabelecida em junho de 2017, é um grupo de autorregulamentação composto por 33 câmbios de criptomoedas. A missão da associação para a autorregulação veio depois que muitos intercâmbios tiveram dificuldades em cumprir as várias regras que o governo coreano delineou em janeiro.

Hong Kong <> <>

A Comissão de Valores Mobiliários e Futuros de Hong Kong alertou várias plataformas de criptos em fevereiro de que os câmbios e as ICOs estarão sujeitos a um exame mais rigoroso.

Os reguladores financeiros em Hong Kong adotam uma abordagem mais branda para policiar o mercado de criptos em comparação com seu equivalente chinês. No entanto, o forte influxo de investidores-criptos para Hong Kong depois que a China baniu as bolsas fiduciárias no ano passado apresenta incerteza sobre como Hong Kong atenderá a intensa demanda das empresas chinesas.

Certas ICOs podem qualificar-se como Esquemas de Investimento Coletivo (CIS) pela SFC em Hong Kong e devem ser verificadas e registradas antes de aceitar investidores. Semelhante à SEC dos EUA, as ICOs são consideradas valores mobiliários e devem cumprir as leis de valores mobiliários estabelecidas.

Enquanto isso, Hong Kong e Cingapura estabeleceram uma aliança Blockchain à qual quase 20 bancos aderiram. A rede comercial entre os dois centros de criptomoedas concorrentes tornará as transferências de moeda e documentação mais eficientes.

Cingapura <> <>

A Singapore Fintech Association e a Fintech Association of Japan anunciaram planos para colaborar e “preencher a lacuna” entre as indústrias de criptos em expansão dos países, antes que o diretor da Autoridade Monetária de Cingapura reafirmasse o compromisso com o “Projeto Ubin” em março, uma rede Blockchain. usado para pagamentos internacionais.

As transações de criptomoeda são amplamente não regulamentadas em Cingapura, mas o banco central informou em março que está avaliando o mercado para determinar se as proteções dos investidores são necessárias.

O banco central mantém um ambiente complacente para o desenvolvimento tecnológico do Blockchain, mas alerta os investidores sobre o risco associado às criptomoedas voláteis da especulação do mercado. Além disso, as autoridades financeiras consideraram planos para mais regulamentação com medo de que problemas com criptomoedas possam prejudicar a aceitação do Blockchain.

O "Projeto Ubin" fez uma parceria com a R3 em 2016 para experimentar alternativas em potencial para operações financeiras usando tecnologia de contabilidade de distribuição. China e Cingapura, desde então, realizaram com sucesso o primeiro comércio de commodities de gasolina usando um sistema Blockchain.

O pedido por mais regulamentação espelha a tendência das autoridades financeiras de outros países asiáticos que recentemente reconsideraram as políticas regulatórias para o mercado volátil.

Taiwan <> <>

Semelhante a Cingapura, as autoridades financeiras taiwanesas estão abertas a experimentar a tecnologia Blockchain para uso interno. O banco central planeja incorporar a tecnologia com serviços na capital, Taipei, para criar uma "cidade inteligente".

Em contraste com a proibição estrita da China à atividade de criptomoedas, Taiwan permite trocas e ICOs. Mas o Banco Central da China recomendou que Taiwan avisasse os investidores de riscos potenciais e monitorizasse as trocas por cumprimento das leis de AML.

Tailândia << Permitir Transações Criptográficas, Regulamentação sob Leis Pré-Existentes >>

O Ministério das Finanças da Tailândia planeja cobrar um imposto de 15% sobre o lucro por criptomoeda, que foi proposto no início de março.

A legislação trata de diretrizes para transações e ICOs e exigirá que os operadores de criptomoedas se registrem junto às autoridades financeiras. Mas o governo não pretende restringir ou proibir a indústria de criptomoedas na Tailândia.

Índia << Proibição de transações cripto, cita Leis Preexistentes >> <>

O maior banco privado da Índia, o HDFC, proibiu a compra de moeda cripto via cartão de débito ou crédito para "proteger os clientes" das flutuações do mercado em março.

O ministro das Finanças da Índia anunciou que o país não reconhece o Bitcoin como moeda de curso legal e as entidades de criptos licenciadas serão penalizadas se continuarem operando. A Índia é um dos principais líderes mundiais em tecnologia, mas há pouca compreensão do mercado de criptos no país - embora as pessoas tenham se interessado pela tecnologia Blockchain subjacente.

A proibição provocou polêmica dentro da indústria de criptos doméstica que teme a regulamentação estrita que causará "fuga de cérebros" e subdesenvolvimento da tecnologia Blockchain no país.

Em contraste com a estrita proibição de operações, o Banco da Reserva da Índia anunciou planos para experimentar sua própria moeda digital em 5 de abril, após se reunir com a Autoridade de Política Monetária.

Malásia << Permitir Transações Criptográficas, Novas Leis Estabelecidas >>

Os câmbios criptos na Malásia agora são obrigados a identificar os comerciantes depois que o governo aprovou a legislação de AML em fevereiro. Os reguladores enfatizaram a necessidade de restringir o uso criminoso do mercado virtual.

Bancos domésticos na Malásia fizeram uma parceria para experimentar usos escaláveis ​​da tecnologia Blockchain. A Malásia tem um dos planos mais progressistas para a regulamentação do Blockchain e da moeda virtual e já promulgou legislação que define padrões para os câmbios virtuais.