Avaliação global de nancos e criptomoedas: Oriente Médio

Os mercados árabes foram inundados por novos investidores em abril, depois que um estudioso islâmico anunciou que a criptomoeda é halal sob a lei da Sharia. O anúncio se assentou em declarações contraditórias emitidas por vários outros especialistas islâmicos, mas ainda existem interpretações conflitantes da permissão da Sharia sobre moedas virtuais entre os líderes muçulmanos.

O anúncio do mufti abriu os mercados de cripto para potencialmente 1,6 bilhão de novos clientes, mas é certo que os governos do Oriente Médio desempenharão um papel central no desenvolvimento da indústria de cripto, a fim de garantir que indivíduos e instituições adiram à lei da Sharia.

A lei da Sharia estabelece diretrizes rígidas sobre a atividade econômica, segundo as quais o valor deve ser atribuído a ativos físicos reais. A lei religiosa altamente contestada que governa o setor financeiro islâmico também proíbe a especulação do mercado e a cobrança de juros sobre empréstimos.

Empresários, investidores e governos muçulmanos têm a intenção de serem líderes no competitivo mercado global. Como muitos defendem a substituição do dólar dos EUA como moeda de reserva mundial, o Bitcoin e as criptomoedas nacionalizadas podem finalmente oferecer aos países muçulmanos estabilidade econômica e flexibilidade na política ocidental.

É uma coincidência improvável que o Conselho Islâmico sobre as Finanças da Sharia tenha legalizado amplamente a propriedade do ouro para investimentos na mesma época em que a OPEP e os países do Oriente Médio começaram a se afastar do sistema Petrodólar dos EUA em 2016.

O Irã, que não mais reconhece ou usa o dólar americano, e a Turquia anunciaram planos para emitir moedas digitais governamentais após a pré-venda da moeda nacional Petro da Venezuela no início deste ano.

De fato, o presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, convocou todas as 14 nações da Opep a desenvolver uma plataforma para o comércio de criptomoedas apoiadas pelo petróleo. Assim como a Venezuela lançou sua própria criptomoeda para contornar as sanções dos EUA, outros países produtores de petróleo insinuaram o abandono do sistema petrodólar, que vigora no Oriente Médio há mais de 40 anos — ameaçando a supremacia global do dólar norte-americano.

A seguinte avaliação da regulação da criptomoeda no Oriente Médio é parte de uma série maior de peças que avaliam a regulamentação da florescente indústria global de fintech. A primeira parte da série analisa a atividade em hotspots asiáticos como Japão, Hong Kong, Cingapura e Taiwan, e como os governos estão facilitando ou dificultando o crescimento. A segunda parte examina a regulação da cripto e as atitudes críticas mantidas por muitos líderes europeus. A terceira parte analisa as diferentes atitudes dos líderes ocidentais sobre a nova tecnologia disruptiva e como as agências reguladoras nas Américas estão se preparando para a adoção generalizada de criptomoedas. A parte quatro avalia como os países africanos estão adotando a força economicamente e politicamente libertadora da criptomoeda e do Blockchain.

A lista abaixo é baseada em uma pesquisa de notícias ampla, mas não deve ser considerada completa. Se você tiver informações mais detalhadas sobre bancos e o relacionamento cripto em seu país, sugerimos que você as compartilhe na seção de comentários.

As visões e opiniões aqui expressas são exclusivas do autor e não refletem necessariamente as opiniões da Cointelegraph.com. Todo investimento e movimentação comercial envolve risco, e você deve conduzir sua própria pesquisa ao tomar uma decisão.

LEGEND

Arábia Saudita

A Arábia Saudita, um participante chave no sistema de petrodólares dos EUA, vendeu continuamente suas reservas de moeda estrangeira desde que o preço do petróleo despencou em 2014. Os reguladores sauditas estão observando de perto as criptomoedas, mas ainda não propuseram regulamentações. Muitos dizem que uma proibição definitiva é improvável.

O Ministério de Comunicações e Tecnologia da Informação da Arábia Saudita anunciou que a agência completou um "Blockchain bootcamp" de três dias em maio como parte de seu plano para criar um "ambiente digital" para alavancar o potencial inexplorado do Reino Unido de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). O ministério fez uma parceria com a empresa de tecnologia Blockchain ConsenSys para o evento, concentrando-se nos contratos inteligentes do Ethereum e na criação de aplicativos descentralizados.

A Autoridade Monetária da Arábia Saudita também se associou à Ripple em fevereiro e lançou um programa piloto que fornecerá tecnologia de pagamento transfronteiriço aos bancos do reino. O programa é o primeiro de seu tipo a ser coordenado por um banco central e será acompanhado por uma caixa de proteção regulamentar, gerenciamento de programas e treinamento.

Omã

O Omani Blockchain Symposium, realizado no final do ano passado, foi o maior encontro de negócios do país, com quase todos os membros do gabinete do governo presentes, além de 700 participantes do setor privado.

O Banco Central de Omã, assim como a autoridade monetária central, promoveu o evento de sucesso e indicou que o governo ajudará a fornecer a infraestrutura tecnológica para promover a implementação da tecnologia blockchain no Omã.

A Blockchain Solutions and Services Company (BSS), uma entidade governamental e iniciativa do Blockchain Symposium, está supostamente colaborando com a Associação de Bancos de Omã, outras agências governamentais e empresas locais para desenvolver regulamentos para a transformação digital do país.

O BankDhofar é o primeiro banco do país a ingressar no BankChain, uma comunidade bancária internacional dedicada à pesquisa e desenvolvimento de soluções blockchain. A iniciativa faz parte dos planos do BankDhofar para digitalizar uma gama de serviços bancários para garantir precisão, eficiência e segurança aos clientes.

Irã

Em janeiro de 2017, o governador do banco central do Irã anunciou que o dólar americano não seria mais usado no país em resposta à proibição temporária de viagens do presidente Trump. A primeira casa de câmbio de cripto do país, a BTXCapital, afirmou que o Irã tinha o potencial de se tornar um grande mercado no futuro devido à saída do dólar americano - embora a compra do Bitcoin no país permanecesse notavelmente difícil na época.

O governo iraniano aparentemente manteve opiniões positivas sobre o Bitcoin quando a autoridade iraniana do ciberespaço — o Alto Conselho do Ciberespaço — anunciou pela primeira vez planos no ano passado para colaborar com o Banco Central do Irã para publicar um relatório sobre criptomoedas. Mas o banco central já emitiu uma declaração afirmando que nunca reconheceu o Bitcoin como uma moeda legal, e proibiu bancos domésticos e outras instituições financeiras de lidar com criptomoedas em abril.

No entanto, o ministro da Tecnologia da Informação e Comunicações do Irã afirmou que a proibição de criptomoedas não impede que o banco central desenvolva uma criptomoeda doméstica e que um modelo experimental de moeda digital emitida pelo estado esteja pronto.

A proibição de criptomoedas precedeu as sanções dos EUA impostas ao Irã em maio, e é vista como uma tentativa de proteger as instituições financeiras em dificuldades do país e desvalorizar a moeda nacional. A moeda digital emitida pelo Irã é paralela ao Petro da Venezuela usada para contornar as sanções internacionais.

Turquia

As autoridades turcas deram sinais contraditórios para o setor de criptomoedas no passado, mas estão seguindo a liderança de outros países do Oriente Médio com planos de liberar uma criptomoeda nacional.

O governo turco adotou uma posição dura em relação ao Bitcoin em novembro passado, quando legisladores da Diretoria de Assuntos Religiosos declararam que as criptomoedas não eram compatíveis com o Islã por causa da natureza especulativa do mercado e da falta de controle do governo.

Mas, em fevereiro um relatório do vice-presidente do Partido do Movimento Nacionalista da Turquia não apenas propôs regulamentações para o mercado, mas também mencionou a possibilidade de um Bitcoin nacional, chamado TurkCoin.

A casa de câmbio Bitcoin BTCTurk, que foi aberta em 2013, encerrou suas atividades em 2016, depois que os bancos locais descontinuaram abruptamente os serviços e fecharam as contas associadas à casa. A BTCTurk reabriu desde então, junto com a casa de câmbio turca Paribu.com.

No entanto, as casas de câmbio domésticas são limitadas a Bitcoin e Ether e os clientes são forçados a usar casas inglesas para acessar altcoins. A história da BTCTurk é exemplar das respostas e divisões variadas entre instituições financeiras e da aceitação do governo pelo Bitcoin. Embora as criptomoedas estejam longe de ser adotadas, algumas empresas e empresas imobiliárias turcas aceitam Bitcoin como pagamento.

Em uma nota à parte, vários projetos de blockchain na Turquia atraíram o interesse de indivíduos que desejam ver a criptomoeda se tornar mais acessível. A Conferência Blockchain e Bitcoin, realizada em Istambul em março, reuniu líderes globais para discutir o desenvolvimento e a regulamentação legislativa do setor.

Iraque

O Banco Central do Iraque impede o uso e a promoção do Bitcoin, de acordo com uma declaração de um especialista econômico em dezembro passado. Além disso, aqueles encontrados usando o Bitcoin podem ser processados sob as leis pré-existentes contra lavagem de dinheiro (AML).

O Serviço Federal de Segurança da Rússia alega ter evitado 25 dos 29 ataques terroristas coordenados da Síria e do Iraque em 2017 e que "terroristas adoram a criptomoeda". As autoridades russas descobriram 100 casos em que dinheiro virtual foi usado para financiar atividades ilícitas. No entanto, menos de 1% das transações relacionadas ao Bitcoin entre 2013 e 2016 foram descobertas como financiando atividades ilegais, de acordo com pesquisa do Centro de Sanções e Finanças Ilegais (CSIF).

Afeganistão

A Code to Inspire, uma organização sem fins lucrativos dedicada a promover a posição econômica e social da mulher afegã na indústria de tecnologia do país, está fornecendo recursos para as mulheres aprenderem a codificar e projetar aplicativos e softwares móveis. A missão do CIT permitirá que as mulheres tenham uma carreira em TI, participem da economia global e se tornem financeiramente independentes usando o Bitcoin.

No entanto, a falta de casas de câmbio domésticas no Afeganistão marca um problema comum com a incapacidade do Bitcoin de alcançar países remotos e subdesenvolvidos. A falta de infraestrutura tecnológica, casas de câmbio locais e conexões wifi estáveis dificultam o comércio e o uso de Bitcoin no Afeganistão.

Emirados Árabes Unidos

O primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos e o governante de Dubai anunciaram o lançamento da estratégia de blockchain dos Emirados Árabes Unidos em abril de 2021, com planos ambiciosos de ser o primeiro governo do mundo com blockchain. O plano dos EAU se concentrará na felicidade dos cidadãos e residentes, eficiência do governo, legislação e empreendedorismo global.

A estratégia pretende que 50% das transações federais sejam realizadas usando a tecnologia blockchain até 2021, que inclui a mudança para o fim do uso do papel para documentação de pedidos de visto, pagamentos de contas e renovação de licenças com tecnologia a blockchain, que poderia economizar US $ 11 bilhões por ano.

O desdobramento mais recente da estratégia de blockchain da Emirates é a parceria de Dubai com a IBM para criar um registro de negócios blockchain para garantir que as empresas operem sob sua jurisdição. O governo anunciou a iniciativa em maio e diz que vai agilizar o processo de operações de negócios, documentação digitalizada da atividade e garantia de conformidade regulatória.

O setor de tecnologia do governo, o Smart Dubai, está encarregado de facilitar a implementação digital na cidade e conduzir pesquisas para determinar serviços que poderiam se beneficiar da tecnologia blockchain. A entidade governamental, que está envolvida em várias iniciativas, proporá a legislação necessária para garantir a “transformação inteligente” de Dubai e ajudará os megaprojetos a se desenvolverem na cidade.

O Departamento de Terras de Dubai (DTD) lançou um sistema apoiado pelo blockchain para registrar contratos imobiliários, proteger transações financeiras e conectar inquilinos e proprietários de terras a faturadores relacionados a propriedades, como serviços de eletricidade e telecomunicações. A agência do governo, que tem a tarefa de supervisionar as compras de imóveis e aprovar contratos, diz que a iniciativa é exemplar da estratégia blockchain do país para consolidar os serviços do governo em uma única plataforma.

Em contraste com a adoção do blockchain pelo governo, a legalidade do uso do Bitcoin não é clara porque os regulamentos pré-existentes não reconhecem as moedas virtuais. No entanto, o governo e o banco central dos Emirados Árabes Unidos anunciaram no início deste ano que a estrutura regulatória para a utilização e as casas de câmbio de Bitcoin está chegando no futuro próximo.

O banco central rejeitou anteriormente propostas de licenciamento de bolsas de valores e a Autoridade de Valores Mobiliários e Commodities dos Emirados Árabes Unidos expressou preocupação com o alto risco das ICOs. Mas após o anúncio dos regulamentos futuros para a indústria de cripto, o governo e o banco central parecem inflexíveis na supervisão federal para garantir que a criptomoeda não vá para os mercados dos submundos.

Enquanto isso, os investidores em Dubai e nos Emirados Árabes Unidos como um todo continuam comprando, vendendo e negociando criptomoedas, apesar da falta de casas de câmbio locais.

A suposta primeira criptomoeda compatível com a Sharia, o Onegram, foi lançado em Dubai em maio de 2017 e é apoiado por reservas reais de ouro. Como cada unidade de valor é respaldada por ouro físico, a especulação e a volatilidade do mercado são rigidamente controladas.

Notavelmente, uma empresa de investimento e comércio de ouro em Dubai é a primeira empresa licenciada a armazenar moeda virtual no Oriente Médio. A empresa estabeleceu um “cofre de armazenamento a frio” para os clientes armazenarem Bitcoin e Ethereum. O cofre seguro detém criptomoedas em uma forma física e é separado das redes, a fim de atender as preocupações dos investidores sobre hackers e malwares on-line.

Um empreendedor com sede em Dubai, Com Mirza, lançou o “Bitcoin do Oriente Médio”, ou Habibi Coin no final de 2017. O Habibi Coin, apoiado por ativos e sem juros, é um avanço monumental para os muçulmanos que anteriormente tinham dificuldade de comprar em casas e investir em outros ativos. Com Mirza alega estar planejando uma ICO de US $ 100 milhões e permitirá que os investidores comprem diretamente a propriedade na plataforma Habibi Coin.

Kuwait

O Ministério das Finanças do Kuwait proibiu o banco central e instituições financeiras de negociar e lidar com Bitcoin no final de 2017, devido à volatilidade do mercado e risco ao consumidor. Outras autoridades legais no Kuwait indicam que o comércio on-line é proibido pelas leis de comércio eletrônico do país, e a lei do Kuwait não reconhece o Bitcoin como moeda.

Qatar

O banco central do Qatar emitiu uma advertência aos bancos do país em fevereiro, instando outros a negarem contas à casas de cripto e comerciantes e que o não cumprimento da solicitação pode resultar em recurso legal segundo a lei pré-existente.

Síria

A criptomoeda está fornecendo alívio para a crise humanitária na Síria, onde o Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas está usando o Ethereum Blockchain para transferir vales para refugiados. O projeto bem-sucedido enviou fundos para comprar alimentos para 10 mil refugiados e a ONU planeja estender o programa para 100 mil pessoas na Jordânia.