Banco da Finlândia lança relatório de criptomoedas mordaz e chama moeda digital de “falácia”

O Banco da Finlândia publicou um artigo em 21 de junho intitulado “A Grande Ilusão das Criptomoedas”, explicando porque eles acham que o conceito de moeda digital é uma “falácia”.

O documento, escrito por Aleksi Grym, Assessor de Digitalização e Chefe do processo do Banco Central Digital no Departamento de Estabilidade Financeira e Estatística. O objetivo é explicar como a natureza fundamental das criptomoedas "mostra quão mal compreendido o conceito de dinheiro ainda é hoje" e como a Internet e as mídias sociais "atrapalharam nosso senso de fato e ficção".

Nas palavras de Grym, criptomoedas não são moedas reais, mas sim "sistemas contábeis para ativos inexistentes". Ele argumenta que as tecnologias de contabilidade digital, como blockchain, são na verdade as mesmas de outros sistemas de registro, mas que sua implementação para criptos é "Sem relação com as características fundamentais do dinheiro:"

“Para todos os efeitos, esse livro é um livro centralizado. O fato de haver várias cópias sincronizadas, distribuídas em uma rede, é irrelevante, pois cada uma tem os mesmos dados.”

O artigo cita vários estudos sobre Bitcoin (BTC) e criptomoedas com visões relativamente negativas sobre criptos como um instrumento especulativo ou uma bolha cujo “valor fundamental é zero”. Grym também desacredita a idéia de um banco central emitindo moeda digital, observando que "significa praticamente contas bancárias no banco central".

Grym então faz a pergunta “mais uma vez, o que é dinheiro?”, Observando que a definição mudou ao longo do tempo, mas que o dinheiro é normalmente descrito como funcionando como uma unidade de troca e tendo uma reserva de valor e uma unidade de conta. O artigo observa que o dinheiro, presumivelmente referindo-se à criptomoedas, não é criado “fora do ar”, mas vem da transformação de liquidez.

De acordo com o artigo, o principal ímpeto para comprar criptomoedas é tanto para atividades criminosas, criando um senso de comunidade, segurança contra a opressão estatal “real ou imaginária” e a emoção da negociação. Grym então compara a compra do Bitcoin ao “valor intangível” para alguns clientes que compram “brinquedos, moda, arte, associação a clubes ou armas de fogo”.

Na semana passada, a Cointelegraph publicou uma visão geral de todos os “FUD” (Fear, Uncertainty, Doubt - do inglês medo, incerteza e dúvida) na esfera de criptomoedas desde o início do Bitcoin, detalhando as muitas comparações com a “mania tulipa” holandesa, bem como as múltiplas “mortes” de Bitcoin na mídia.