Bahrein visa tornar-se o pioneiro do Blockchain no Oriente Médio

O Bahrein, um dos principais países produtores de petróleo próximo aos Emirados Árabes Unidos, está se voltando para as moedas digitais como parte de sua estrutura financeira. De acordo com Khalid Al Rumaihi, o executivo-chefe do Conselho de Desenvolvimento Econômico do Bahrein, a adoção de moedas digitais no sistema do Bahrein foi sugerida ao longo do tempo através do Ministério das Finanças do país.

Isso levou à conclusão da emissão de "títulos em moeda digital".

Tornar-se pioneiro da crescente indústria de criptomoeda

O Bahrein quer se tornar um pioneiro no crescente espaço fintech e de acordo com Rumaihi, a adoção nacional da tecnologia Blockchain será um elemento chave nisso.

Rumaihi afirmou que o Bahrein está "aberto ao Bitcoin" em resposta a uma consulta feita no MIT Innovation Forum na última quarta-feira na capital do país, Manama. Adicionando a ser aberto a criptomoeda e seu potencial no país, um sandbox regulatório é uma chave para permitir a experimentação em um ambiente controlado no país insular.

Além disso, o Banco Central do Bahrein recentemente implementou uma sandbox regulatória. Quatro empresas se mostraram interessadas até agora, e duas já receberam aprovação. Rumaihi disse no GCC Financial Forum em Manama no início deste ano:

"A capacidade do Blockchain ser adotado em nível de país é uma grande oportunidade para o Bahrein se destacar como um pioneiro neste espaço. O Blockchain irá desbloquear tantas possibilidades diferentes para os negócios da forma como o e-mail e a internet fizeram anos atrás".

Joint venture com a Arábia Saudita

Uma oportunidade para uma parceria com uma empresa Bitcoin estabelecida da Arábia Saudita abriu suas portas para as casas de câmbio Bitcoin no Bahrein. Rumaihi disse que eles estão trabalhando com o Banco Central do Bahrein na proposta.

No mês passado, o Arab Banking Corporation, com sede no Bahrein, também conhecido como Banco ABC, aderiu ao consórcio RIB distribuído pelo R3, tornando-se o primeiro banco na região do Oriente Médio e Norte da África a se juntar ao grupo.

A colaboração dos dois países permitirá que o banco desenvolva produtos financeiros inovadores para sua clientela e "nos impulsione ainda mais para atingir nossos objetivos estratégicos", como afirmou Sael Al Waary, vice-presidente do grupo do Banco ABC. A mudança de moeda digital no mercado Oriente Médio é vista com uma nota positiva de que qualquer país pode se tornar um país mais avançado.