Autoridade reguladora alemã decreta suspensão imediata da Karatbit Foundation por suposto esquema Ponzi

A Autoridade Federal de Supervisão Financeira da Alemanha (BaFin) emitiu uma ordem de cessação e desistência para a Fundação Karatbit, para interromper imediatamente negócios não autorizados na Alemanha.

A BaFin alega que a Karatbit Foundation está emitindo o KaratGoldCoin (KBC) sem a licença necessária, de acordo com um anúncio de 11 de novembro.

A Karatbit se descreve como uma provedora de um sistema de pagamento baseado em blockchain, que permite aos usuários realizar transações com ouro, bem como negociar ouro com criptomoedas. A empresa alega que possui mais de 500.000 pontos de aceitação em todo o mundo, sendo que dez exchanges de criptomoedas suportam a negociação de ouro e produtos de ouro pelo KBC.

Ausência da licença necessária e investigações iniciadas

No anúncio, a BaFin disse que a Karatbit conduzia negócios na Alemanha sem a licença necessária. No entanto, o regulador apontou que, embora a ordem tenha entrado em vigor imediatamente, ainda pode estar sujeita a revisão judicial.

Como o The Guardian informou em 13 de novembro, o ministério público de Stuttgart também iniciou investigações sobre as atividades da empresa. Em resposta às alegações, Karatbars disse ao Guardian que nenhuma investigação sobre o KBC havia começado, e garantiu que "nenhum cliente ou parceiro jamais sofreu perdas devido ao Karatbars e seus produtos."

Karatbars argumentou ainda que os clientes alemães que detinham o KBC o receberam como "apenas um presente de bônus gratuito que veio com outros produtos Karatbars", e que a decisão da BaFin foi baseada em um site falso da Karatbars.

Contradição de participação em uma mina de ouro

Para garantir a estabilidade de seus tokens, a Karatbars afirma que possui participação em uma mina de ouro localizada em Madagascar, que supostamente contém 900 milhões de euros (US $ 990 milhões) em metais preciosos. Além disso, o fundador da empresa, Harald Seiz, disse que a empresa conseguiu US $ 100 milhões através das vendas do KBC.

Em números contraditórios, a empresa afirmou especificamente em seu white paper que “a mina de ouro em Madagascar, com 900 bilhões de euros, foi comprada”. Seiz também não conseguiu provar sua propriedade na participação da mina de ouro.

Além disso, Karatbars usou as imagens, sem autorização, dos ex-astros do futebol Lothar Mattäus, Roberto Carlos e Patrick Kluivert. Kluivert e Matthäus negaram sua relação com o projeto.