Investidores asiáticos pedem dos EUA clareza regulatória para criptomoedas

Falando no BlockShow Ásia 2019, a parceira administrativa da Proof of Capital, Edith Yeung, clamou a atenção dos reguladores americanos por deixarem os empreendimentos baseados em blockchain no escuro.

Essas empresas geralmente são domiciliadas em Singapura, Suíça ou Hong Kong porque “elas não têm ideia do que está acontecendo nos EUA. Elas não querem se meter nisso por causa da tensão legal.”

De fato, algumas exchsnges estão deixando os EUA em meio a incertezas regulatórias contínuas. No mês passado, a Poloniex deixou a Circle para formar uma nova exchange que não permitirá que clientes americanos negociem em sua plataforma.

A Binance também estabeleceu a Binance US especificamente em conjunto com a BAM Trading Services, um parceiro aprovado da Rede de Execução de Crimes Financeiros (FinCEN). A Binance US é uma entidade separada da Binance.com, que costumava operar nos EUA.

Rae Deng, sócio-fundador da empresa de capital de risco Du Capital, com sede em Singapura, ecoou o sentimento de Yeung no palco do BlockShow:

"Damos as boas-vindas a mais regulamentos, já que um vácuo de regulamentação adequada no ano passado ou no ano anterior deixou tudo em situações vulneráveis".

Ao mesmo tempo, Yeung é cautelosa sobre mudar o ambiente regulatório americano muito rapidamente. Ela simplesmente pede que o setor continue prestando atenção ao país.

Yeung investe em startups de blockchain e inteligência artifical por meio da Prova de Capital, com um portfólio que inclui Stellar, Nebulas, Solana, Oasis Labs e Hooked, entre outros.

Deng está apoiando empresas de tecnologia de ledger distribuído e aquelas que operam no ecossistema em torno.