Empresa de TI da Armênia acusada de uso ilegal de eletricidade para minerar criptomoedas

Uma empresa de TI na Armênia foi acusada de acessar ilegalmente a eletricidade e usá-la para minerar criptomoedas.

US$ 150.000 em energia

Em 21 de setembro, em um anúncio do Serviço de Segurança Nacional da Armênia, a organização acusou uma empresa de TI de minerar ilegalmente criptomoedas de dentro de uma usina hidrelétrica.

A agência estatal informou que a empresa de TI instalou equipamentos de mineração de criptomoeda em uma das usinas hidrelétricas que operam na Armênia e, como resultado, consumiu ilegalmente 1,5 quilowatt-hora de eletricidade - no valor de mais de US$ 150.000 localmente - ao longo de 1,5 anos.

Mineração de criptomoedas ilegal na China

O Cointelegraph informou em setembro que os reguladores da província autônoma chinesa da Mongólia Interior emitiram um aviso exigindo uma limpeza das empresas de mineração de criptomoedas da província.

Vários departamentos da Mongólia Interior determinaram a necessidade de retificar o setor de mineração na província. As organizações nomeadas foram a Comissão de Desenvolvimento e Reforma, o Departamento de Segurança Pública, o Escritório do Ministério da Indústria, o Escritório Financeiro e o Big Data Bureau. 

No final de maio, a China era responsável por 70% da mineração global de BTC. Na época, surgiram relatos de que os reguladores chineses estavam investigando operações ilegais de mineração em Sichuan - uma província responsável por 70% da mineração chinesa de Bitcoin (BTC) graças à geração de eletricidade da bacia do rio Dadu.