Instituto nacional de padrões americanos vai abordar o Blockchain no próximo fórum

O Instituto Americano de Padrões (American National Standards Institute - ANSI)  discutirá questões de blockchain e inteligência artificial (IA) em seu próximo Fórum de Questões Legais e Junta de Membros, de acordo com um anúncio publicado em 17 de setembro.

O ANSI é um estabelecimento privado sem fins lucrativos, baseado nos EUA, composto por mais de 125.000 empresas, com organizações internacionais, órgãos acadêmicos e governamentais e corporações entre seus membros. O instituto não desenvolve padrões, mas administra e coordena os padrões voluntários dos EUA e o sistema de avaliação de conformidade.

No próximo fórum intitulado “Fortalecidos pela Inovação: Tecnologias de Ponta que Conduzem Soluções do Mundo Real”, os participantes se concentrarão em preocupações legais e éticas e explorarão aplicações concretas da tecnologia blockchain e da IA.

De acordo com o anúncio, especialistas de vários setores como saúde, transporte, segurança alimentar e outros discutirão possíveis implantações de blockchain e IA e como os padrões e a avaliação de conformidade podem facilitar a aplicação e o desenvolvimento dessas tecnologias.

Anteriormente, o ANSI estabeleceu vários padrões de nível internacional, incluindo a implementação padrão original da linguagem C, que se tornou ANSI C, e o primeiro padrão de linguagem de programação de computadores “American Standard Fortran”, conhecido como “FORTRAN 66”.

Um dos nove painéis padrão do instituto, o Núcleo de Coordenação de Padrões de Energia Nuclear (NESCC), visa identificar e suprir a necessidade de padrões na indústria nuclear.

Recentemente, o Fórum Econômico Mundial (WEF) publicou um relatório apelidado de “Construindo Block(chain)s para um Planeta Melhor”, onde delineou mais de 65 casos de uso de blockchain para resolver os desafios ambientais “mais importantes”. De acordo com o relatório, o próximo passo importante na introdução de aplicações blockchain para proteção ambiental é o estabelecimento de um ecossistema blockchain “responsável” e “global”, em oposição ao financiamento de projetos específicos e separados.