Alibaba processa ICO de Dubai sobre 'fraude intencional' do uso de sua marca

O gigante chinês Alibaba processou a Fundação Alibabacoin, sediada em Dubai, por violação de direitos autorais, depois que o primeiro ICO arrecadou 3,5 milhões de dólares, segundo Reuters 2 de abril.

De acordo com os arquivos judiciais do Tribunal Distrital dos EUA em Manhattan vistos pela publicação, a Alibabacoin se envolveu em um comportamento “proeminente, repetido e intencionalmente enganoso” usando o nome da empresa.

Não há relação entre o Alibaba e a Alibabacoin Foundation, esclareceu Alibaba, reiterando que “não está interessado em mudar para o espaço da criptomoeda”.

Além disso, especulações e desinformações resultantes da ICO na mídia não foram respondidas pela Alibabacoin Foundation, alegando que a Alibaba "não fez nada para combater ou corrigir essa confusão".

A Alibabacoin Foundation está pretendendo criar uma plataforma de e-commerce usando sua própria criptomoeda Alibabacoin, descrevendo-se como “tecnologia otimizada para distribuição, finanças, compras, segurança, usando a tecnologia blockchain."

Não é a primeira vez que o Alibaba tem sido implicado em rumores sobre o seu envolvimento com criptomoedas.

Em janeiro deste ano, a empresa dissipou rumores de que estava se aventurando na indústria de mineração por meio de sua recém-desenvolvida plataforma P2P.

"Reiteramos que o Alibaba Cloud nunca emitiu uma moeda virtual parecida com o Bitcoin, e não hospedará nenhuma plataforma de mineração [cripto]", afirmou em um comunicado na época.