Metas e objetivos da nova Associação de Câmbio de Criptomoedas de Autorregulamentada do Japão

A regulamentação no Japão tomou uma rota longa e sinuosa - o país asiático foi o primeiro a reconhecer o Bitcoin como uma forma de moeda legal, mas também é o país onde os dois maiores hacks da história desse ecossistema aconteceram; Mt. Gox & Coincheck.

O segundo hack, no qual ladrões levaram US $ 530 milhões em NEM, levou os reguladores japoneses a intervir e abordar as preocupações de segurança em muitas das casas de câmbio no país.

Mas não são apenas os reguladores que estão reagindo ao hack da Coincheck. Um órgão autorregulador foi criado com aloio das casas de câmbio para assegurar seus negócios, bem como para se alinhar  com as pressões regulatórias mais rígidas.

Este órgão realizou sua primeira conferência de imprensa em 23 de abril,na qual delineou suas áreas iniciais e principais de preocupação, que abordará desde o início. A conferência foi seguida pela Cointelegraph.

Nihon Kasotsuka Kokangyo Kyokai

O nome oficial do órgão é Nihon Kasotsuka Kokangyo Kyokai (Associação de Câmbio de Criptomoedas do Japão) e atualmente é formado por 16 casas de câmbio registradas na Agência de Serviços Financeiros (ASF) do governo.

A ideia por trás deste órgão é que ele estabeleça os padrões e as expectativas das casas que atualmente não são registradas junto à ASF. Isso ocorre porque ainda há atualmente um número de casas que estão operando enquanto ainda não estão registradas.

No entanto, enquanto a repressão continua, houve algumas casas de câmbio que decidiram encerrar as operações a se curvar aos desejos dos reguladores e provar sua segurança.

A ASF pediu enfaticamente que as casas de câmbio de criptomoedas estabeleçam uma organização unificada da indústria e elaborem voluntariamente regras e regulamentos para criar um ambiente de negociação sólido para os clientes. Isso levou à criação da Associação de Câmbio de criptomoedas do Japão (JCEA).

Os 16 à direita

O grupo que está assumindo essa postura de autorregulação é o que já foi registrado na ASF e alguns dos mais reconhecíveis incluem os seguintes.

Bitbank

A principal moeda comercial do Bitbank é o Ripple, que responde por 75% de seu volume, seguido pelo Bitcoin, com 14%, e Bitcoin Cash, com 7%. Tem uma capitalização de mercado de US $ 180.614.933, ou 20.260 BTC. Foi fundada em maio de 2014.

BitFlyer

A Bitflyer opera principalmente com Bitcoin, com 98% de seus US $ 277.779.010 provenientes da líder cripto. Foi fundada em janeiro de 2014.

BTCBox

Esta casa só oferece negociação Bitcoin e tem um valor de mercado bastante pequeno de US $ 84.399.400, ou 9.467 BTC. Foi fundado em 2014.

Fisco Virtual Currency Exchange (parte da Fisco)

Esta casa opera principalmente com Bitcoin, que responde por 96% de seu volume, mas também permite o comércio da moeda Mona, é apenas outra altcoin. Tem um valor de mercado de US $ 147.435.081 e foi fundado em 2016.

Quoine

A Quoine oferece muitas moedas diferentes para o comércio, mas principalmente vê seu volume sendo composto de Bitcoin, com 88% do volume vindo dessa moeda digital. Seu valor de mercado é de US $ 261.973.798 e foi fundada em 2014.

Assumir o comando

Taizen Okuyama, presidente da Money Partners Co., que assumiu o cargo de presidente, disse que o objetivo da JCEA é dissipar as ansiedades dos clientes e alcançar o desenvolvimento sólido do mercado.

Em uma conferência de imprensa realizada em Tóquio no início desta semana, Okuyama disse:

“Estamos preparando as regras de autorregulação a partir de agora, queremos ter como objetivo o desenvolvimento do setor e a generalização da moeda virtual, dissipando a ansiedade dos clientes que surgiu com o caso da Choincheck, restaurando-lhes a confiança”.

O diretor executivo da JBA, Yuzo Kano, vice-presidente da organização, acrescentou:

“O estabelecimento da associação é um passo significativo no desenvolvimento da indústria e enfatiza que ela se desenvolverá mais rapidamente e ajudará a obter uma autorregulação efetiva”.

"A tendência do Japão está atraindo a atenção do mundo, eu gostaria de trabalhar seriamente para que nos tornemos uma norma para outros países."

Noriyuki Hiromatsu, que também é presidente do Bitbank, também se tornou vice-presidente e acrescentou que está feliz por cooperar em tal nível.

“Estou muito satisfeito por poder me unir e cooperar assim, já que a indústria não tem conseguido se alinhar muito bem. Eu gostaria de preparar a autorregulação cedo e criar um ambiente que possa ser usado com confiança.”

Como vai funcionar

Os homens que deram a coletiva de imprensa continuaram a dissecar o funcionamento interno de como o órgão regulador operaria. Eles explicaram os processos de registro, o prazo que levaria e como lidariam com as ofertas iniciais de moeda (ICOs).

Okuyama explicou que o escritório do órgão regulador está apenas começando a ser criado, mas que também estaria formando um grupo de inspeção para avaliar as casas de câmbio e sua segurança.

No que diz respeito às ICOs, o presidente explicou que as autoridades julgariam as moedas envolvidas, mas os operadores de casas de câmbio terão que avisar quando listarem novas moedas, e esse registro precisa ser aceito pelo órgão regulador.

Okuyama também explicou que existem algumas casas que atualmente não fazem parte do sistema regulatório que estão operando essencialmente nas medidas tradicionais da lei japonesa, e ele está procurando incorporá-las rapidamente ao sistema de autorregulação.

Kano também interveio para explicar as medidas de segurança esperadas da JCEA para se registrar.

Ele disse que a segurança é dividida entre duas áreas. Em primeiro lugar, há a segurança convencional da Internet, incluindo SSL, firewalls e proteção não relacionada a blockchain. Depois, há segurança exclusiva para o Blockchain. Para este fim, é preciso haver regras e expectativas detalhadas para criar um modelo de segurança.

Em algum tempo, Kano quer isso seja tão claro que uma operadora terceirizada faria o controle de segurança de uma determinada bolsa.

Esse é um passo na direção certa?

Haverá algum questionamento se esta é uma boa jogada do Japão, ou não. As regulamentações são uma questão tão complicada, mas esse parece ser um meio termo que muitos podem aceitar.

A batalha entre governos, bancos e similares, contra aqueles investidos no novo e desregulado ecossistema de criptomoedas, tem visto alguns conflitos violentos. Aqueles em lugares como a China foram forçados a sair, enquanto os da Austrália encontraram um equilíbrio que funciona para ambas as partes.

O movimento do Japão é aquele que também parece encontrar um equilíbrio. Por ter uma organização que é dirigida pelos envolvidos em criptomoedas e que entendem as necessidades das casas de câmbio de cripto, há espaço para regras florescerem e que não sufoquem a inovação e o crescimento.

Ter uma relação saudável entre a ASF no Japão e este novo órgão significa que há comunicação entre as duas áreas. As preocupações de segurança estão sendo tratadas, mas as regras não estão sendo simplesmente ditadas.

Como Kano mencionou na conferência de imprensa, o mundo está realmente observando o Japão, e este último movimento regulatório pode ser recebido de braços abertos de ambos os lados, ao redor do mundo.