Advogado apresenta autos para regulamentação imediata de Bitcoin na Índia

O advogado Bivas Chatterjee arquivou um litígio de interesse público (PIL) na última sexta-feira no tribunal de Calcutá para regulamentar imediatamente o fluxo de Bitcoin dentro e fora da Índia, de acordo com fontes de notícias locais.

Em sua petição, Chatterjee sugeriu que as criptomoedas são predominantemente usadas para fins desonestos e devem ser regulamentadas ou banidas, como na China, o mais rápido possível. Ele disse:

"O uso de Bitcoin foi potencializado após a desmonetização, aquando a economia sem dinheiro físico foi promovida. Na Índia, as agências de fiscalização da lei estão confusas ... Ou o governo deve proibir o Bitcoin declarando-o ilegal, como a China, ou deve haver um órgão regulamentador para controlar seu fluxo ".

O anonimato é um problema

Segundo o advogado, o Bitcoin é particularmente difícil de ser rastreado, tornando-o assim um veículo escolhido para transações financeiras ilegais. Ele disse:

"As criptomoedas promovem transferências de fundos rápidas e anônimas a baixo custo. Tais transações são realmente difíceis de rastrear ... as criptomoedas são perfeitos mediadores para o crime. As autoridades de investigação enfrentam grandes obstáculos ao investigar crimes envolvendo criptomoedas ou Bitcoins por causa do anonimato ".

As declarações de Chatterjee refletem uma crescente crença de que Bitcoin e outras criptomoedas são muito voláteis e anônimas para que os governos evitem regulá-las, e alguns até as chamam de esquemas Ponzi.

No entanto, outras economias como o Japão abraçaram o Bitcoin como um método futurista de pagamento.