Segundo análise da Datalight, Bitcoin foi um investimento muito melhor que ações em 2019

De acordo com dados divulgados pela empresa de análise de criptomoedas DataLight, o Bitcoin gerou retornos significativamente maiores do que o mercado de ações em 2019, considerando os papeis das principais empresas por capitalização de mercado, incluindo a Amazon.

Apesar das ações apresentarem um rendimento considerável nos últimos anos, as criptomoedas - em particular o Bitcoin - têm se mostrado o ativo com a melhor performance nos últimos dez anos.

A proeza do ativo digital é sempre lembrada pelo fundador da Morgan Creek Digital, Antony Pompliano.

A análise da Datalight faz a comparação do ativo digital com as principais ações do mercado norte americano nos últimos anos. Segundo a empresa:

"O Bitcoin agora apresenta o maior ROI (Retorno de Investimento) entre as dez maiores ações por capitalização. Em dezembro de 2018, o Bitcoin foi o último, mas levou apenas seis meses para ultrapassar e dobrar, superando o rival mais próximo."

O Bitcoin perdeu seu primeiro lugar para a gigante Amazon - de propriedade de Jeff Bezos - em maio de 2018, quando o implacável inverno de criptomoedas seguiu a bolha especulativa do fim de 2017.

Eventualmente, o Bitcoin caiu abaixo de todas essas empresas na lista após atingir US$ 3.100 no final de 2018.

Em 2 de abril de 2019, o Bitcoin de repente ressurgiu quando investidores testemunharam uma subida de 20% no preço que deu início à alta do mercado deste ano.

No geral, o preço do BTC mais do que triplicou desde o recuo em dezembro de 2018, ultrapassando a tão difícil resistência psicológica de US$ 10.000.

O BTC conseguiu superar praticamente todos os principais ativos tradicionais em 2019, incluindo petróleo, ouro e títulos, apesar de várias correções brutais de preços de aproximadamente 35%. 

Apesar do mercado em baixa em 2018, a indústria de criptomoedas não parou de se desenvolver, principalmente nos EUA. Conforme reportado pelo Cointelegraph, a Datalight mostrou que os Estados Unidos eram o país mais ativo no comércio de cripto, com mais de 22 milhões de acessos mensais em exchanges de criptomoedas.