De acordo com BNP Paribas, ausência de banco central limitaria o futuro do Bitcoin

O Bitcoin foi atacado por várias razões no passado - uso no crime, bolha especulativa, etc. O BNP Paribas juntou-se ao coro, dizendo que o futuro do Bitcoin é limitado porque não há "credor de última instância".

Deflacionário sem banco central

De acordo com um relatório publicado no The Telegraph, o BNP Paribas afirmou que o futuro do Bitcoin é limitado, principalmente por causa da falta de um credor de última instância. De acordo com o BNP Paribas, isso resultaria em riscos significativos e prejudicaria a política monetária. O banco também ataca o Bitcoin por sua natureza deflacionária (emissão limitada), alta volatilidade e falta de regulação. Embora tenha aceitado que o Japão reconheceu o Bitcoin como moeda legal e se tenha posicionado como amigável à tecnologia, outros governos poderiam agir contra o Bitcoin.

A ameaça potencial para a senhoriagem do banco central, as preocupações com a lavagem de dinheiro, a estabilidade financeira, a evasão fiscal e o crime, todos tornam possíveis os movimentos regulatórios em outros lugares.

A principal preocupação do BNP Paribas é que, no caso de uma crise financeira (como 2008-09), não há autoridade central para regular os produtos com base em Bitcoin.

Banco central para uma moeda descentralizada?

Os credores de última instância geralmente desempenham um papel importante quando a liquidez seca em um mercado. Quando os bancos enfrentam um súbito aumento da demanda por retorno de depósitos, eles costumam recorrer a um banco central, que atua como credor de última instância, para fornecer liquidez. No entanto, em uma moeda descentralizada, não há necessidade de nenhum intermediário financeiro (bancos) para manter seu dinheiro. Daí o conceito de uma corrida bancária parece estranho no mundo Bitcoin. Embora a capacidade dos bancos de expandir a oferta de dinheiro através de empréstimos de reserva fracionários seja restrita, os riscos associados ao secamento da liquidez também são reduzidos.

Mesmo banco, diferentes pesquisadores, diferentes visões

O Bitcoin pode ser um tópico divisivo, já que as visões em Wall Street variam dos que chamam o Bitcoin de fraude descarada (Jamie Dimon, JP Morgan) aos que dizem que é mais que uma modinha (James Gorman, Morgan Stanley). As visões podem ser diferentes mesmo dentro de um banco. Há apenas alguns anos, o BNP Paribas publicou um relatório chamado o Bitcoin de uma invenção disruptiva, como o motor a combustão. O BNP Paribas também atua na adoção da tecnologia Blockchain, tendo experimentado transferência em tempo real de contas bancárias na Alemanha, Reino Unido e Holanda. O futuro do Bitcoin definitivamente não está limitado aos pontos de vista desses pesquisadores.


Siga-nos no Facebook