Empresa sul-africana investe $14 bilhões para lançar casa de câmbio cripto

A Sygnia Asset Management, uma importante empresa de investimento sul-africana com 180 bilhões de rand ($14,5 bilhões), revelou que lançará uma casa de câmbio cripto no final deste ano, a BusinessTech relatou em 25 de maio.

A CEO da Sygnia, Magda Wierzycka, disse que a empresa lançaria sua corretora de criptomoedas, apelidada de "SygniaCoin", no terceiro trimestre de 2018:

“O mercado de criptomoedas está evoluindo em um ritmo acelerado internacional e domesticamente, e está atraindo fluxos domésticos e internacionais. Com foco em tecnologia de ponta, a Sygnia está bem posicionada para se tornar a primeira grande instituição de serviços financeiros a adotar criptomoedas e oferecer aos investidores uma plataforma segura de negociação e execução apoiada por infraestrutura internacional, custódia bem projetada e integração com produtos de poupança padrão.

Wierzycka enfatizou a segurança e a conformidade regulatória, que ela considera “envolvida” no contexto sul-africano. Ela observou que o Serviço da Receita Sul-Africano (SARS) já estipulou que o comércio cripto é passível de impostos, e que ela espera que outras estruturas reguladoras cripto nacionais sigam.

Enquanto isso, a SygniaCoin baseará suas políticas na estrutura regulatória existente atualmente adotada pelas corretoras registradas no Estado de Nova York, ou seja, a rigorosa NY BitLicense, que foi introduzida em agosto de 2015.

Além da negociação, a Sygnia criará um fundo dedicado que investirá em uma série de criptomoedas em nome de seus clientes institucionais e de varejo. Os investidores da Sygnia também poderão manter moedas criptto em suas contas junto com seus outros ativos.

Apenas nesta semana, o South Africa’s central bank (SARB) declarou que as criptomoedas são "cyber-tokens" porque "não atendem aos requisitos de dinheiro". O anúncio seguiu-se ao estabelecimento de uma força-tarefa de fintech no SARB, no início deste ano, que se dedicará a abordar questões regulatórias de criptomoeda.

Em abril, o banco central estabeleceu uma organização auto-reguladora para supervisionar os desenvolvimentos nas indústrias cripto e fintech com o objetivo de prevenir o risco sistêmico, embora o banco tenha enfatizado que era cauteloso não “estrangular o crescimento”. a esfera de criptomoeda florescente.