Planos de US$ 1 milhão em Ethereum: União Europeia visa ajudar refugiados com Blockchain

A União Europeia está se juntando às Nações Unidas ao usar o Ethereum Blockchain para fornecer ajuda transparente aos refugiados.

Os detalhes da última reunião do Parlamento Europeu nesta semana mostram que o grupo de trabalho dedicado ao livro-razão distribuído (DLT) no início deste ano já gastou metade do seu orçamento de € 850,000 (US$ 1 milhão).

Apontado como "Força-tarefa horizontal na tecnologia do Livro-razão Distribuído", um caso de uso definido na última documentação da UE diz respeito a auxílio de refugiados além da pesquisa de DLT.

"Um caso de uso específico que deveria ser explorado é o potencial das soluções DLT para o gerenciamento da situação dos refugiados", afirma a emenda.

"Muitos refugiados e pessoas em situação de refugiados são incapazes de provar sua identidade ou acessar serviços essenciais".

O Blockchain, alimentado pelo Ethereum, poderia assim facilitar o processo de integração, fornecendo formas novas e mais eficientes de identificações de pessoas sem documentos que chegam à UE.

"[...] Os governos da UE em parcerias com outros países e organizações (por exemplo, ONGs) precisam de soluções inovadoras para gerenciar fluxos crescentes de migrantes e sua estadia temporária em diferentes países", continua o Parlamento Europeu.

"As aplicações da DLT podem se prestar a esses aplicativos em função de sua arquitetura distribuída e resiliente".

Em junho, as Nações Unidas lançaram planos para usar o Ethereum para distribuir ajuda aos refugiados na crise da Síria.

Viagem de vários anos de refugiado de Blockchain para o governo

O Ethereum está progredindo a uma velocidade vertiginosa, com integrações patrocinadas pelo Estado também provenientes da Rússia nesta semana.

Membros da Fundação Ethereum assinaram um acordo com o banco do governo, VEB, com o objetivo de aumentar o conhecimento e a propagação das soluções Ethereum Blockchain.

O registro de refugiados no Blockchain, entretanto, tem sido um foco de start-ups da indústria há vários anos. Em 2015, o BitNation conseguiu documentar as primeiras chegadas, numa altura em que as respostas governamentais estavam longe de ser colocadas na pedra.

“A crise de refugiados na Europa é enorme, e vai durar por anos a fio com milhões de pessoas apátridas que não podem abrir contas bancárias, ou mesmo ter um emprego, legalmente,” disse o fundador Susanne Tarkowski-Tempelho à Cointelegraph no momento.

"Há um enorme e urgente vácuo para preencher. Os governos não vão fazê-lo, porque eles ficam em um impasse político quando se trata de imigração”